Tradutor

sábado, maio 24, 2014

TARGET2 acalma em Portugal

Gráfico 9 sugere que o crédito do Eurosistema de bancos centrais, na forma de saldos credores do Bundesbank no TARGET2 serviu em certa medida para transferir a exposição de crédito originalmente concedido pelos bancos alemães aos países da periferia, de credores privados para credores  público. O crédito aos bancos centrais da periferia serviu também para refinanciar as exposição de outros  bancos sediados dentro e fora da Eurozone, especialmente da França  e  do Reino Unido, que procuraram  reduzir suas exposições ao riscos de reembolso e de redenominação, isto é que alguns países não pudessem pagar ou que deixassem o EURO. 

O saldo credor do Bundesbank no TARGET2,  que passou de praticamente zero para mais  €700 B em 2012, desceu para €477 B em Abril 2014.   Uma interpretação é que o Bundesbank estava apenas assumindo os custos da sua própria supervisão bancária frouxa,  (im)prudencial,  dando boleia aos restantes bancos centrais nacionais, também eles responsáveis pelo excessos de crédito segundo o princípio supervisão pelo país de origem (free-riding).   

O saldo devedor do Banco de Portugal no TARGET2, que   chegou quase a €70 B em Outubro 2013, segundo os dados de passivos overnight do Banco de Portugal face  a não residentes, tem vindo a acalmar situando-se ainda em €56,6 B a Abril 2014.  

Fonte: Cecchetti, McCauley e McGuire, Dezembro  2012, Interpreting TARGET2 Balances, 
Working Papers BIS 393 http://www.bis.org/publ/work393.htm