Tradutor

sábado, junho 25, 2016

Brexit, European divergence and the demographic tsunami

The economic divergence in the European Union is so serious,  with winners and losers growing apart, that the risks of unsustainability is severe.  

Resultado de imagem para brexitListening to the post-voting commentary from UK , many voters seemed to be voting "against migration".  One interviewee said that migration was supposed to happen only "over there in the Mediterranean", not on the British side of the English channel!.  Britain was never a member of the Schengan (passport free zone), but they have a dynamic labor market which has been pulling migrants in, from the rest of Europe and further away (pulll factors).  Add push factors like persecution and civil wars and nothing will keep migrants from leaving home and seeking better locations. 

The (British) voters may need to brush up on demographic statistics:  With as many as 5.5 children per (mostly poor) families on the south side of " the Med", and as litlle as 1.5 children per (mostly rich) families on the north side of "the Med", you don't need to be a demographer to know that  migration WILL happen. Trying to stop migration flows in these circumstances is like trying to hold back a TSUNAMI. 

Trying to manage population flows in the XXI century is an illusion, giving the instantaneous info.  Do you know there are apps for migrants to download to their smartphones to guide them through the maze?   For example, some refugees received in Portugal recently actually  left Mangualde to join relatives in northern Europe within the month.  Why stay in a country with 13% unemployment and a "safety net" full of holes?  

But the critical underlying issue may be  the persistent divergence between the economic  winners and losers from European integration and globablization, among and within countries.  It seems that exit vote was stronger in working class districts.   Small countries like Portugal can be steamrolled, but big democratic countries like the UK have other means of defense by turning the decision over to the voters.  A real lesson in practical  democracy. 

Another critical issue may be the return of the border walls and the raising of the barriers in and around Europe, and the desperation to escape the persecution in the countries of origin.  Of course, the refugees of 1940 were different,  but for many of the refugees today the existential threat is as serious today as it was then.   

Can we  see a parallels between the raising of the walls in 2016  versus 1936 or 1939? 

For Portugal, we are a net exporter of (economic) migrants and Portuguese workers were already suffering effective discrimination in the UK (restricted access to Social Security).  Some recent Portuguese emigrants may need to come back, pushing unemployment in Portugal up again.  

There is a Portuguese saying for every occasion: For this one:  "Em casa onde não há pão, todos ralham e ninguem tem razão."  In a home without bread, everyone argues and  and no one is right. 

domingo, junho 19, 2016

O navio Serpa Pinto e o cais da Rocha Conde de Òbidos

O cais da Rocha Conde de Óbidos do Porto de Lisba visto muitas chegadas e partidas, quase sempre dramáticas.
Ver imagens em
http://restosdecoleccao.blogspot.pt/2012/06/gare-maritima-da-rocha-do-conde-de.html

Foi um dos pontos de partida do navio Serpa Pinto que fez numerosas viagens cheio de refugiados durarnte a Segunda Guerra
Ver http://restosdecoleccao.blogspot.pt/2015/10/paquete-serpa-pinto.html

Europeaid, ajuda externa e contratos-quadro

O que são os contratos-quadro no contexto da Europeaid ?
EuropeAid criou  alguns contratos-quadro múltiplos (isto é, com vários fornecedores)   a fim de facilitar a implementação do programa de ajuda pública ao desenvolvimento da União Europeia.  
Os contratos-quadro horizontais são criados pelo Serviço de Cooperação EuropeAid a fim de facilitar a implementação da ajuda externa da União Europeia junto dos países em desenvolvimento.  informações gerais e orientações sobre diversos contratos-quadro, as informações sobre os contratantes-quadro por lote e documentos normalizados podem ser encontradas no portal da Europeaid.
Os principais contratos-quadro em curso foram criados em 2013 com  os beneficiários então pré-qualificados, beneficiários 2013. Os contratos-quadro são baseados em processos de pré-qualificação dos prestadores de serviços em cerca de 12 lotes distintos, desde o apoio ao desenvolvimento rural à ajuda humanitária e de emergência.  
European Commission logoQuando um organismo da EU  pretende realizar um trabalho num dos 12 sectores num das países emergentes, convida as empresas pré-qualificadas no respectivo sector a apresentarem propostas técnicas e financeiras para um contrato específico. 
Os concursos de pré-qualificação são realizados periodicamente, e a actual lista de consórcios e consultoras pré-qualificadas pode ser vista em  http://ec.europa.eu/europeaid/list-consortium-members-all-lots_en
As novas empresas consultoras que tenham surgido desde então não podem apresentar propostas. Grande parte (22) dos lideres dos consórcios pré-qualificados estão sediados na Bélgica, apenas 6 na Alemanha e em Espanha, 4 na Grécia, 2 na França, um na Irlanda e nenhum em Portugal.  Existem algumas entidades portuguesas como participantes em consórcios para contratos-quadro, nomeadamente...
Lote 2  Transportes e Infraestrutura:  CONSULGAL Consultores de Engenharia e Gestao SA
Lote 8 - Saúde:         CESO CI Internacional, S.A. (PT)
Lote 11- Macroeconomia:  CESO SI International S.A
Lote 12 - Ajuda Humanitária e Assistência pós-Crise:  Instituto Marques de Valle Flor
Os beneficiários dos contrato-quadro BENEF 2013 estão pre-qualificados e aptos a fornecer e realizar missões de assistência técnica de curto prazo que cobrem toda a gama de operações do ciclo do projeto (com excepção dos programas de auditorias financeiras) no interesse exclusivo dos países beneficiários ou no interesse da Comissão Europeia, juntamente com os países terceiros.
Fonte: https://ec.europa.eu/europeaid/home_en 
What are framework contracts?
Horizontal framework contracts are put in place by EuropeAid Cooperation Office to facilitate the implementation of the external aid. General information and guidelines on various framework contracts, information on the framework contractors per lot and standard documents can be found below.
Framework contracts are empty shells with no financial value in themselves. Only specific contracts based on framework contracts are preceded by a budgetary commitment.
EuropeAid has put in place some multiple (i.e. with several providers) framework contracts with reopening of competition in order to facilitate the implementation of the External Aid.
The main on-going framework contracts are the following:
The framework contract BENEF 2013 provides short-term technical assistance assignments covering the entire range of project cycle operations (with the exception of programmes financial audits) in the exclusive interest of the beneficiary countries or in the interest of the European Commission together with third countries.
The Framework Contract BENEF 2013 is extended for two more years and is valid from 01/01/2014 to 31/12/2017.

Europa à la carte e a insustentável divergência da Europa

Qualquer acto de união é uma manifestação de vontades, que pode resultar numa União cada vez mais consolidada,...ou não.

Os países membros mais fracos, mais incautos e não preparados, sim, aceitam todas as regras europeias.  Os países membros mais fortes podem ser mais exigentes,  negoceiam transições, derrogações, carve-outs, rebates, fazendo um cherry-picking do que lhes convèm, e afastando o que os pode prejudicar, etc. É a Europa a la carte, para quem domina a mesa das negociações.
Os países membros fortes podem até ditar as regras (administrativas) europeias  mesmo se os países fracos  nunca as consigam cumprir, e podem aplicar  sanções a uns e não a outros.

Mas a prova real do bem-estar da União está menos no "cumprimento" nas normas subjectivas, e mais nos resultados e números objetivos, tais como os saldos de comércio bilateral, ou os saldos TARGET2 cada vez mais divergentes.

Um sistema sustentável tem que convergir para o equilíbrio, não pode divergir ano trás ano.   Os sistemas económicos necessitam de homeostasis, de auto-regulação para o equilíbrio, tal qual os sistemas biológicos.  Será que os lideres políticos  não percebem a importância vital de promover o reequilíbrio entre os parceiros comerciais da União Europeia e da Eurozone ?

Quanto mais divergimos, menos nos entendemos, mas fomentamos o Euroceticismo.  Uma Europa fortemente divergente não convém a ninguém , torna-se-á insustentável a prazo.  Mas parece que as instituições europeias  não conseguem contrariar estas forças , até agravam a divergência.  O que não nos trará nada de bom.

A divergência económica representa uma ameaça a qualquer união.

sexta-feira, junho 17, 2016

AICEP apresenta BASD oportunidades na Asia, 24-Julho, 9h45, Av 5 de Outubro, 101

A AICEP Portugal Global, o GPEARI do Ministério das Finanças e o Banco Asiático para o Desenvolvimento (BASD) organizam no próximo dia 24 de junho, pelas 9h 45m, umSeminário sobre Oportunidades de Negócio no âmbito do BASD, em Lisboa, no Auditório da AICEP, Av. 5 de Outubro, 101 (programa em anexo).

Sabyasachi Mitra, Deputy Representative, do escritório do BASD na Europa, em Frankfurt, apresentará as oportunidades de consultadoria e de outros fornecimentos (bens e obras), associadas ao Procurement do BASD.

O BASD é um parceiro privilegiado para a abordagem aos mercados da Ásia e do Pacífico (consulte em adb.org os mercados de operação do banco).

A participação nesta ação é gratuita mas de inscrição obrigatória, através do preenchimento do formulário de inscrição online até ao próximo dia 22 de junho. (inscreva-se aqui)

Para esclarecimentos adicionais, queira por favor contactar a área das Multilaterais da AICEP, através do endereço eletrónico gt.multilaterais@portugalglobal.pt ou através do telefone 217 909 549 / 217 909 755.

quinta-feira, junho 16, 2016

Energia Renovável em Africa, 20-Junho, 14h, CCI, Rua Portas de Santo Antão, 89

Workshop - OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS NA ÁFRICA SUBSARIANAA Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, a Eurochambers, o RECP e a ALER organizam um workshop para apresentar o Programa de Cooperação em Energias Renováveis (RECP) da Parceria de Energia Europa-África (AEEP) e abordar de que forma as empresas portuguesas poderão beneficiar deste programa, para além de dar a conhecer vários exemplos práticos de acordos de cooperação empresarial.   

RECP - Renewable Energy Cooperation Programme é um programa com diversos doadores internacionais, que apoia o desenvolvimento das energias renováveis em mercados africanos. Os seus principais objectivos são:

·         Assessoria em matéria de políticas energéticas;
·         Cooperação com o sector privado;
·         Apoio na elaboração de projectos para acesso ao financiamento;
·         Identificação de oportunidades de negócios e de potenciais parceiros europeus e africanos

A ALER será um dos parceiros do evento e irá participar com uma apresentação subordinada ao tema "ENERGIAS RENOVÁVEIS NOS PALOP E OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS EUROPEIAS". Em anexo poderá encontrar o programa do evento.

A participação nesta evento é gratuita com inscrição prévia, ao clicar aqui, preencher e submeter o formulário. Posteriormente será enviado um e-mail com a confirmação do registo. Se pretende reunir com os oradores deve indicar no campo de observações o nome do mesmo.

Mais informações disponíveis no site da ALER. http://www.aler-renovaveis.org/pt/actividades/organizacao-de-eventos/ 


quarta-feira, junho 15, 2016

Portugal é o quinto país mais pacífico para se viver e o Brasil está no 105º lugar

Portugal é o quinto país mais pacífico para se viver e o Brasil está no 105º lugar:

O Global Peace Index (GPI), lançado pelo Institute of Economics and Peace (IEP), mostra que o mundo, pelo segundo ano consecutivo, está menos pacífico. A pesquisa analisou 163 países, entre eles Brasil e Portugal, em 23 indicadores diferentes.

A violência funciona como um imposto sobre o resto da economia e da sociedade quando os cuidados de   segurança vira um grande negócio.   O Brasil gasta 14% do seu Produto Interno Bruto (PIB) para arcar com os custos da violência.  Portugal, por exemplo, gasta apenas 5% com a  violência e está na 121ª posição. A Síria é o pior colocado, gastando 54% do seu PIB com os custos da violência. Os melhores colocados, entre 163 países analisados, são Indonésia, Canadá e Islândia, que gastam 2%.

sexta-feira, junho 10, 2016

Seminário Comércio Justo, 8-Junho

Educação para o Desenvolvimento: Diálogos de Comércio Justo - o Caso do Cacau no Equador

O CIDAC – Centro de Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral promoveum encontro sobre comércio justo e o cacau no Equador, no dia 8 de junho de 2016, às18h00, no Centro das Artes Culinárias do Mercado de Santa Catarina (Campo de Santa Clara, Lisboa).
O encontro conta com a participação de Alfredo Villavicencio, representante da Fundação MCCH – Maquita Cushunchic Comercializando como Hermanos, do Equador, e de Alexandra Prado Coelho, jornalista do Público.
Esta iniciativa insere-se no projeto “Comércio Justo em Portugal: Conhecer, Compreender, Problematizar”, cofinanciado pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I. P., no âmbito da linha de apoio a projetos de Educação para o Desenvolvimento (ED).
- See more at: http://www.instituto-camoes.pt/cooperacao/caso-do-cacau-no-equador#sthash.piYbLnq3.dpuf

Seminário sobre Sustentabilidade Financeira, 21-22 Junho Plataforma ONGD


Plataforma Portuguesa das ONGD: formação “Sustentabilidade Financeira nas Organizações da Sociedade Civil”   01.06.2016


A Plataforma Portuguesa das ONGD leva a cabo uma ação de formação em “Sustentabilidade Financeira nas Organizações da Sociedade Civil”, nos dias 21 e 22 de junho de 2016, nas suas instalações, em Lisboa.
Esta atividade beneficia do apoio do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P., no quadro do contrato-programa celebrado com a Plataforma, para o período de 2014 a 2018, que compreende três eixos de intervenção: capacitar os recursos humanos; promover parcerias entre ONGD e destas com outros atores; melhorar a capacidade de comunicação da Plataforma e das suas associadas.
- See more at: http://www.instituto-camoes.pt/cooperacao/plataforma-das-ongd-formacao#sthash.bSlF2qOO.dpuf

domingo, junho 05, 2016

Descer portagens nas antigas SCUT é bom negócio para o Estado

Pior que uma estrada desnecessária e sobre-dimensionada, só uma estrada vazia devio ao efeito dissuador das portagens, conhecido como o  desvio de de tráfego.



Descer portagens nas antigas SCUT é bom negócio para o Estado: Conclusão está num estudo encomendado e recebido pelo anterior Governo. Atual executivo diz que teve a informação em conta nas descidas de preços anunciadas para o verão.

WWS Reacts: Brazil’s President Was Impeached. Now What?

 A previsão é que as divisões no sistema politico brasileiro vão acentuar-se



WWS Reacts: Brazil’s President Was Impeached. Now What?

sexta-feira, junho 03, 2016

Guiné Bissau - oportunidade de consultoria agricultura

Resultado de imagem para bandeira guiné bissauO Banco Mundial procura consultor para um projeto destinado a acrescentar valor ao sector do caju na Guiné-Bissau.
O Projecto de Desenvolvimento do Sector do Caju - CSD  procura  aumentar o acesso ao mercado no sector do caju através da promoção social, de aplicação de normas ambientais e comerciais, e de melhorias na regulamentação aplicável às empresas, nomeadamente de registo de propriedade e registos comerciais e garantias.

A fim de apoiar a preparação e implementação do projeto Guiné-Bissau CSD e apoiar a supervisão do PRSPDA, procura-se os serviços de um consultor de agro-negócios que ficará baseado em Bissau.

Resultado de imagem para flor caju guinéO consultor irá trabalhar em estreita colaboração com a equipe de Trade & Competitiveness  encarregada do projeto Guiné-Bissau CSD e do PRSPDA para garantir a entrega das atividades no prazo e a satisfação dos clientes governamentais. Ele/ela vai ajudar na implementação do dia-a-dia, incluindo a  preparação, coordenação e supervisão, a recolha de informação local, bem como fornecer subsídios técnicos em colaboração com a equipe de T & C e consultores externos. Para fazer isso, o consultor irá coordenar estreitamente com a Unidade de Implementação do Projecto PRSPDA.
Especificamente, ele / ela irá:
Apoiar a equipe de T & C na implementação do projecto, a Guiné-Bissau CSD no reforço das normas no sector do caju e melhorar o ambiente de negócios.
Auxiliar a equipe de T & C na supervisão do PRSPDA   de promover o desenvolvimento do agro-negócio e desenvolvimento do espírito empresarial. Isto inclui a supervisão de outros consultores contratados
Para mais informações:     Zenaida Hernandez (zhernandez@worldbank.org
Data limite:  15-Junho-2016 


segunda-feira, maio 30, 2016

Portugal com contas externas no positivo

Portugal tem conseguido uma recuperação de comércio externo notável, depois de anos de défices insustentáveis  da Balança de Transações Correntes, que chegou a -12,1% CAB/PIB, alimentada pela acumulação de dívida externa também ela insustentável.
Será possível manter esta tendência positiva com a contracção económica de alguns dos nossos parceiros comerciais?

Portugal Current Account to GDP
Desde 2014 até 2016  a maior parte das agências de ‘rating’ melhoraram a apreciação de Portugal, só que há preocupações objectivas em relação ao ‘stock’ da dívida. Não podemos alhearmo-nos do facto de o ‘stock’ de dívida portuguesa ser um dos mais altos do mundo. Portugal também não tem um historial de crescimento económico muito pujante. Comparando com Itália, que tem um nível de dívida mais elevado que Portugal e um histórico de crescimento económico na última década relativamente semelhante ao nosso, verifica-se que eles têm um nível de ‘rating’ melhor que o português.

Conferência "Financiamento de infraestruturas de água e saneamento em Africa, 15-junho, Gulbenkian

Conferência "Financiamento de infraestruturas sustentáveis de abastecimento de água e saneamento para cidades africanas inclusivas e resilientes"

Data:      quarta-feira, 15-Junho, 14:30 às 18:00.

Local:     Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, das 

Organização:  Parceria Portuguesa para a Água e  AdP – Águas de Portugal  

O evento é de entrada livre mas sujeito a inscrição prévia e confirmação através do link abaixo

https://docs.google.com/forms/d/1uF9DHfradLtlZovQAJ3jX45MG1cDyAXIuvxRpYwqBXM/viewform?c=0&w=1 
O programa pode ser consultado através deste link:
http://www.ppa.pt/wp-content/uploads/2016/05/Programa-Conferencia-Gulbenkian_PT-2016-05-25.pdf

Salientamos a intervenção de fundo de Alexander Bakalian, responsável do Banco Mundial para Água e Saneamento na África Ocidental, seguindo-se uma mesa redonda com destacados responsáveis sectoriais de Marrocos, Costa do Marfim, República Democrática do Congo e Angola. O debate será antecedido de um comentário às intervenções a cargo de Jaime Barragan, Diretor de Água e Saneamento do BEI - Banco Europeu de Investimentos.