Tradutor

sábado, abril 30, 2016

Dez conselhos para evitar o divórcio (por falta de dinheiro)

Portugal é dos países mais endividados do mundo, dizem os números do IGCP.
A taxa poupança está nos mínimos, diz o INE.
Os portugueses demonstram baixa literacia financeira, isto é, não sabem fazer bem as contas, dizem estudos mundiais.

Entretanto, o crédito ao consumo continua demasiado acessível, apesar de se ter voltado a aplicar o imposto do selo, e até os bancos do Estado  oferecem o "fraccionamento de contas", como se a possibilidade de comprar consolas a prestações fosse essencial para uma consoada feliz.

Famílias mal governadas estão em risco.
Hoje, há quem abandone a casa e a hipoteca, não só os filhos.

Parafraseando o ditado popular, casa onde não se gere bem o pão, todos ralham e ninguém tem razão.

VER   Dez conselhos para evitar o divórcio (por falta de dinheiro)
Fonte:  http://www.dinheirovivo.pt/buzz/galeria/como-evitar-o-divorcio/#sthash.lsPFbaQc.cmfs

Portugueses sabem menos  http://ppplusofonia.blogspot.pt/2016/03/literacia-financeira-portugueses-nao.html 

Cortar o crédito ao consumo, já http://ppplusofonia.blogspot.pt/2015/05/cortar-credito-ao-consumo-ja.html  e como a CGD promove mesmo  a desgovernação das famílias  https://www.cgd.pt/Particulares/Cartoes/Cartoes-de-Credito/Simulador-de-Pagamentos-Fracionados/Pages/simulador-pagamentos-fracionados.aspx

Alfabetização e literacia baixas na lusofonia http://ppplusofonia.blogspot.pt/2009/05/improving-literacy-must.html

Falta de literacia financeira promove endividamento http://ppplusofonia.blogspot.pt/2012/02/falta-de-literacia-financeira-promoveu.html

Como reestruturar a dívida com o apoio da DECO  http://www.deco.proteste.pt/dinheiro/credito-habitacao/simule-e-poupe/credito-a-habitacao-posso-aceder-plano-reestruturacao-divida



terça-feira, abril 26, 2016

Conferências de Lisboa, Globalização do Desenvolvimento, 5-6 Maio 2016

2ª Conferência de Lisboa: A Globalização do Desenvolvimento

A 2ª Conferência de Lisboa  é um evento internacional de periodicidade bienal, que tem como objetivo promover o debate sobre o Desenvolvimento.

Data:  5 e 6 de maio de 2016, 

Local:  Fundação Calouste Gulbenkian.  

A participação é gratuita, mediante inscrição aqui.
Nesta 2ª edição, debatemos o significado atual do Desenvolvimento e as dinâmicas relativas à sua Globalização. Serão abordadas as alterações globais decorrentes das reconfigurações geoeconómicas; as mudanças económicas e políticas que afetam a geografia Norte-Sul; as implicações globais que o terrorismo, o radicalismo religioso e o nacionalismo extremista têm para o desenvolvimento e a cooperação internacional; e qual o futuro do projeto de integração do papel da União Europeia como ator global.
Entre os oradores estão Tariq Ramadan (Professor de Estudos Islâmicos Contemporâneos na Universidade de Oxford), Eveline Herfkens (que foi coordenadora da Campanha das Nações Unidas sobre os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio e Ministra Holandesa da Cooperação para o Desenvolvimento)  e Khalid Malik (antigo Diretor do Gabinete do Relatório de Desenvolvimento Humano nas Nações Unidas), entre muitos outros.
As Conferências de Lisboa são uma iniciativa conjunta da da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, a Câmara Municipal de Lisboa, a Fundação Calouste Gulbenkian, a Fundação Portugal-África, o Instituto Marquês de Valle Flor - IMVF, o ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, a Sociedade Financeira de Desenvolvimento - SOFID e a União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa - UCCLA. 
Para além da 1ª edição das Conferências de Lisboa, realizada em dezembro de 2014, as atividades do projeto incluiram, em 2015, o lançamento do livro da 1ª edição das Conferências de Lisboa – disponível em papel e online, o seminário “O Financiamento do Desenvolvimento no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável” (2 de junho de 2015), e a Escola de Verão sobre os Desafios Globais (setembro de 2015)  em parceria com o ISCTE-IUL.
Saiba mais sobre o projeto Conferências de Lisboa no website aqui e no facebook aqui.

UNL Conferencia «Um Ensino Superior com vocação internacional»

Conferência «Um Ensino Superior com vocação internacional»: A Nova School of Business and Economics (Nova SBE), em colaboração com a Plataforma Portugal Agora, promoveu no dia 4 de abril de 2016, na Reitora da Universidade NOVA de Lisboa, um debate público sobre as condições para que as universidades afirmem a sua vocação global.

Estudo da NOVA vence Prémio António Arnaut

Estudo da NOVA vence Prémio António Arnaut:

Investigadores do IHMT e ENSP vencem Prémio António Arnaut

 Prémio António Arnaut para o melhor trabalho escrito sobre investigação em sistemas de saúde foi atribuído ao estudo “Reforma dos cuidados de saúde primários: a experiência do pagamento pelo desempenho”, da autoria de Julian Perelman (investigador principal), da Escola Nacional de Saúde Pública, Giuliano Russo, do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Marisa Miraldo, do Imperial College London, e Alexandre Lourenço, do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.
O trabalho, premiado com um valor monetário de 3 mil euros, será publicado pela Edições Almedina.
publicado 8.abril.2016

fonte: http://www.ihmt.unl.pt/ e http://www.ensp.unl.pt/

sábado, abril 16, 2016

Global Infra Forum - MDBs 16-April-2016

Saturday, April 16, 10:00 a.m. - 11:30 a.m


The Global Infrastructure Forum 2016 is jointly organized, in close partnership with the United Nations, by key development partners in infrastructure and the multilateral development banks.
1.2 billion people live without electricity. 2.4 billion people don’t have improved sanitation. At least 663 million people lack access to safe drinking water. Bridging the infrastructure gap is essential to achieving the Sustainable Development Goals and ending poverty.
Join the multilateral development banks (MDBs), infrastructure development partners, the private sector, g7+, G24, G77, and G20 representatives to discuss opportunities for investment and cooperation.

Spending more, spending better  


and follow the event on Twitter with #InvestInInfra

Date: Saturday, April 16, 2016
Time: 10:00 a.m. - 11:30 a.m. (ET) / 14:00 - 15:30 (GMT) or convert time
Location: IFC B2 Auditorium, World Bank Group HQ & Online
Bridging the infrastructure gap is essential to achieving the Sustainable Development Goals. At the Financing for Development conference in Addis Ababa, 193 nations agreed to establish a forum on infrastructure to build and enhance multilateral collaborative mechanisms. The goal is to better align coordination among the full suite of infrastructure actors, including the private sector. This forum will allow for a greater range of voices as we bridge infrastructure and capacity gaps, particularly in challenging environments. Furthermore, it will highlight opportunities for investment and cooperation that are environmentally, socially, and economically sustainable.
Third International Conference on Financing for DevelopmentThe Global Infrastructure Forum 2016 is jointly organized by key development partners in infrastructure and the multilateral development banks (MDBs).

Program:  https://pppknowledgelab.org/global-infrastructure-forum-2016 
Related Links:

Global Infrastructure Agenda - SDG Sustainable Development Goals and Cop 21 

  • Global public goods 
    • Clean water 
    • Effective transportation and communication
    • Climate resilience 
    • Low carbon energy 
  • Improvements needed to overcome ineffciencies in project preparation and execution which cause losses of 35% of amounts invested 
    • Governance at the project and invement program levels 
    • Local planning 
    • Project preparation 
    • Project and contract administration


sexta-feira, abril 15, 2016

Timor Leste e Australia: onde fica a fronteira do petróleo

Resultado de imagem para Timor bandeira
Resultado de imagem para Bandeira australiaUm artigo de leitura obrigatória no The Economist de 9-Abril-2016 explica a situação actual das negociações de Timor Leste com a Austrália sob a fronteira marítima e económica, com a o país grande e tomar posições negociais que prejudicam o país pequeno.

"Muitos Timorenses dizem que sem acordo bilateral sobre a fronteira marítima entre os dois países, Timor-Leste e Australia, os três Tratados são injustos. Embora a Austrália tenha acordado uma fronteira no fundo do mar com a Indonésia em 1972, ela nunca negociou nenhum limite com Timor-Leste. Segundo a lei internacional, argumenta Timor Leste, tal fronteira deve ficar marcada a meio caminho entre os dois países. Isso deixaria o jazigo petrolífero Greater Sunrise completamente dentro das 200 milhas náuticas da zona económica exclusiva de Timor-Leste."

VER mais em http://www.economist.com/news/asia/21696544-trying-squeeze-money-last-drop-oil-line-sand

terça-feira, abril 12, 2016

Workshop de Infraestrutura – Financiamento de Projetos, 13-16 Junho 2016, São Paulo

Resultado de imagem para euromoney learning solutions
ESTE CURSO SERÁ LECIONADO EM PORTUGUÊS  
A finalidade do curso é de fornecer bons alicerces nos conceitos de financiamento de projetos e de PPP, parcerias público-privadas, com base nos fundamentos da formulação e estruturação de projetos e de gestão de contratos de concessão a longo prazo, focando os requisitos específicos de vários setores, incluindo infraestrutura, energia, transporte, água e saneamento, saúde e mineração.  Os participantes ficarão conhecendo as perspetivas das várias Partes, incluindo dos promotores de projetos e acionistas das concessionárias, dos bancos credores, do Poder Público Concedente e, por último mas não menos importante, dos usuários e dos contribuintes. O curso irá também abordar as formas e fontes de financiamento de projetos, incluindo as IFI, instituições financeiras internacionais, e os critérios de rating de obrigações de projeto.
Com este curso de quatro dias, o participante será capaz de:
  • Explicar como o financiamento de projetos e de PPP pode ser utilizado com sucesso por empresas ou pelo Poder Público Concedente para implementar projetos de investimento; poderá identificar vantagens, desvantagens, fatores críticos de sucesso e os critérios de avaliação de resultados.
  • Definir as estruturas contratuais de financiamento de projetos mais apropriadas em vários setores, incluindo os principais indicadores de performance, KPIs, nos serviços públicos e nas PPPs
  • Identificar e analisar os riscos do projeto, os riscos das contrapartes e os riscos macroeconômicos e risco-país, e determinar quais os atenuantes e estratégias de gestão de risco que  podem ser aplicados para garantir a sustentabilidade do projeto para as diversas Partes,  ao longo de todo o Contrato.  
  • Praticar as metodologias de análise financeira e de análise de fluxos de caixa para avaliar o projeto e quantificar os seus riscos.
  • Definir as condições de financiamento adequadas, tais como alavancagem, direitos e deveres contratuais, cronograma de amortização da dívida, etc.
  • Dominar os conceitos e a terminologia de financiamento de projeto em Inglês e Português.
Formadora:  Mariana Abrantes de Sousa 

Ver mais em 
http://www.euromoneylearningsolutions.com/Financial-Training/Workshop_de_Infraestrutura_~e2~80~93_Financiamento_de_Projetos/Main-Course.html?linkindexnumber=66

segunda-feira, abril 11, 2016

Finalmente uma medida a favor da poupança, 2

Resultado de imagem para fatura da sorteParabéns à nova equipa da AT ! 
Levou sete anos depois da crise rebentar em 2009, mas a AT finalmente deixou de promover a importação de automóveis, e passou a promover a poupança nacional, com se tem vindo vindo a recomendar neste blog.  
Diziamos em 2012 que todos os caminhos para sair da crise passariam por aumentar a taxa de poupança, que entretanto caiu para um mínimo absolutamente insustentável de 5% do PIB em 2015.  

Mariana Abrantes de Sousa 
PPP Lusofonia 

Autoridade Tributária e Aduaneira [mailto:info@at.gov.pt],  8 April 2016  
VER Fatura da Sorte no Portal das Finanças 
 

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) informa que os prémios atribuídos no sorteio "Fatura da Sorte" deixam de ser veículos automóveis e passam a ser "Certificados do Tesouro Poupança Mais", emitidos pela Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida pública - IGCP-

Estes novos prémios visam estimular a poupança e o aforro das famílias.O Sorteio é transmitido pela RTP 1, às 5ª feiras, cerca das 18:50H.

A periodicidade e as condições do Sorteio mantêm-se as mesmas que estavam em vigor até 31 de março, deste ano. A única alteração é o objeto do prémio. Para se habilitar, basta que solicite a inserção do seu número de contribuinte nas suas faturas. Exigir sempre fatura é um direito e um dever de cidadania.

segunda-feira, abril 04, 2016

Morocco studies 7 road PPPs


The Ministry of Infrastructure and Transport of Morocco has recently announced the upcoming development of seven new highways through the public-private partnership (PPP) model.

Source:  http://infrapppworld.com/2016/04/morocco-studies-7-road-ppps.html

Investimento responsável e fundos verdes, Euronext Lisboa, 5-Abril, 14h30

A BCSD convida para um a conferencia sobre Investimento Responsável na Euronext a 5-Abril. 

Resultado de imagem para euronext lisbonIsabel Ucha, presidente interina da Euronext Lisbon, Flavia Micilotta, diretora executiva do Eurosiforganização que promove a sustentabilidade junto dos mercados financeiros europeus, e Diana Guzman, diretora do Carbon Disclosure Projet para a Europa do Sul, vão estar à conversa sobre investimentos e fundos socialmente responsáveis - fundos que promovem a sustentabilidade através do financiamento de projetos com objetivos de rentabilidade no âmbito da economia de baixo carbonoflorestas sustentáveis ou outros temas relacionados com o desenvolvimento sustentável.

Logo BCSDO evento (programa em anexo) junta “sustentabilidade” e “mercados financeiros” e tem como objetivo explicar o valor acrescentado que os fundos responsáveis - green fundsethical fundscarbon funds e outros - têm, não apenas para os asset managers e investors, mas também para as empresas que são incorporadas nos portfolios desses fundos e nos rankings existentes. “À conversa com Isabel, Flavia & Diana” realiza-se a 5 de Abril, entre as 14h30 e as 16h30, na Euronext, em Lisboa.

À conversa com Isabel, Flavia & Diana” conta com uma introdução sobre a relevância dos investimentos socialmente responsáveis pela Isabel Ucha, para depois a Flavia Micilotta partilhar que fundos existemcomo funcionam, o enquadramento legal, as tendências, a informação fornecida pelas empresas, o impacto da crise económica nestes instrumentos e a ascensão do tema no sistema financeiro global. O evento encerra à mesma hora que os mercados financeiros, ocasião que aproveitaremos para realizar a cerimónia do toque do sino pelos fundos socialmente responsáveis.
Cerca de 58,5% do total dos ativos geridos (AuM) na Europa têm critérios de seleção de âmbito ambiental, social e de governance. A nível mundial ronda os 30% dos AuM. Entre 2012 e 2014 os fundos com critérios ambientais, sociais e de governance cresceram 55% na Europa, 76% nos EUA e 61% globalmente (fonte: Global Sustainable Investment Alliance). Recentemente, Jeffrey Sachs reconheceu que os investimentos em tecnologias de baixo carbono, smart power grids nas cidades, entre outros, são investimentos com elevados retornos sociais e que devem ser promovidos pelo sistema financeiro.

As inscrições devem ser feitas através do email: neusa.meneses@bcsdportugal.org
Data:  5 Abril 2016  14h30 
Local: Auditório da Euronext Lisbon, Av. da Liberdade 196, 8.º piso, Lisboa 

Sacyr confirms Portugal PPP hospitals sale to Aberdeen

4 March 2016 

Spanish developer Sacyr has sold its stake in three Portugal hospitals to an infrastructure fund

* Says unit sells its stake in three hospitals in Portugal to infrastructure fund Aberdeen for 113 million euros

* Says Sacyr Concesiones sells 98 percent in HC-Hospitais Concesionados, owner of the hospitals    

Source text: bit.ly/1VSM468
A espanhola Sacyr encaixou 113 milhões de euros com a venda participação que detinha em três hospitais portugueses (Braga, Vila Franca de Xira e Açores), mantendo no entanto a gestão. A venda foi feita ao fundo holandês de infra-estruturas Aberdeen
A empresa espanhola refere, através de comunicado emitido ontem, ter vendido 98% do capital que detinha na HC-Hospitais Concessionados (51% nos hospitais de Braga e Vila Franca de Xira e 40% no hospital da ilha Terceira, nos Açores). As participações eram detidas pela subsidiária portuguesa da Sacyr, a Somague. O montante da transacção inclui a dívida associada às participações.
A Sacyr afirma, através do referido comunicado, que “esta operação engloba-se na estratégia de Sacyr de rotação de activos maduros com o objectivo de investir em novos projectos em desenvolvimento”.
A empresa espanhola assegura ainda que vai “continuar activa no negócio das concessões em Portugal e no dos hospitais em regime de concessão”.
O hospital de Braga entrou em funcionamento em 2011, e dispõem de 705 camas, o hospital de Santo Espirito na Ilha Terceira entrou em exploração em 2012 e conta com 241 camas e o de Vila Franca de Xira foi inaugurado em 2013 e dispõe de 280 camas. 
A Aberdeen é uma gestora de activos de direito holandês fundada em 1983. É uma empresa cotada e que está presente em 25 países repartidos pela Europa, Ásia e América. A 31 de Dezembro de 2015 geria uma conta com 394 mil milhões de euros em activos.
A Autoridade da Concorrência já em Novembro se tinha pronunciado favoravelmente à venda do hospital de Braga e do hospital de Vila Franca de Xira, ambos geridos em regime de parcerias público- privadas. Na altura, a Autoridade da Concorrência considerou que a operação não criava entraves à concorrência.

quinta-feira, março 31, 2016

Brasil PPP - Situação e perspectivas para 2016

Artigo: Situação e perspectivas das PPPs para 2016  no Brasil

Bruno Pereira 4/03/2016  

InícioDesafios macroeconômicos, instabilidade política, crise fiscal, investigações da lava jato e pessimismo entre agentes econômicos não foram suficientes para reduzir a dinâmica do mercado de parcerias público-privadas em 2015 no Brasil.
No ano passado, foi alcançada a marca de mais de 80 contratos de concessão administrativa e patrocinada já assinados desde a publicação da lei federal de PPPs e o número seguirá crescendo em 2016, principalmente em função da movimentação dos projetos municipais.
Do total de 138 Procedimentos de Manifestação de Interesse (PMIs) publicados em 2015, 106 são municipais (sendo 2 de consórcios intermunicipais) e 32 estaduais. Dos 106 PMIs municipais, os setores mais relevantes são iluminação pública (com 31 projetos); saneamento básico (17 projetos) e resíduos sólidos (16 projetos).
Dessa amostra dos setores mais relevantes, 13 projetos* já alcançaram no mínimo a fase de consulta pública, o que sinaliza a existência de um conjunto de projetos municiais que inicia 2016 com um nível de maturidade rumo à fase de licitação.
Não haveria tal evolução sem a participação da ... 
Ver mais http://www.pppbrasil.com.br/portal/content/artigo-situa%C3%A7%C3%A3o-e-perspectivas-das-ppps-para-2016-1



quarta-feira, março 30, 2016

O que é um projecto bancável

Podemos distinguir  entre os três tipos de projectos:  

1.  Projecto não viável, sem tráfego, sobre-dimensionado, custos superiores aos benefícios em termos económicos, etc 
(passeios no meio das vinhas como vejo perto em alguns sítios, também conhecido por "elefante branco") 

3.  Projecto viável, muitos utilizadores, mas difícil de cobrar tarifário por vários motivos, técnicos ou de comportabilidade das tarifas em relação aos rendimentos das famílias.
(passeio muito movimentado no bairro mais pobre da cidade) 

3.  Projecto bancável, em que se consegue cobrar algo ao utilizador directa ou indirectamente, ou em que o contribuinte paga um subsidio à exploração em função do volume 
(passeio movimentado numa cidade, gera mais receita fiscal em termos de IVA, IMI, IRC/IRS;)  
Até  posso consignar uma parte da receita fiscal ao "concessionário dos passeios", ou conceder-lhe um pagamento mensal por "disponibilidade", com direito a desconto por buracos, lixo, etc.
Combinar receita dos utilizadores com subsídios do contribuinte para compensar a insuficiência de receita, o viabiity gap, é uma arte.  O importante é que o subsídio ao investimento para diminuir os custos iniciais ou o subsidio continuado à exploração sejam bem dimensionados e calibrados para viabilizar o projecto sem onerar demasiado o orçamento do Concedente.  Os subsidios devem fazer parte de um mecanismo de pagamento ou remuneração bem formulados em função dos resultados,  para manter incentivos à eficiência e à eficácia.

Em qualquer caso estes encargos do Concedente representam dívida publica não-financeira, e devem ser cuidadosamente orçamentados e controlados.

Um projecto bancável é um projecto  economicamente viável  em que se consegue transformar o beneficio económico em receita q.b. (quanto baste)  para o concessionário.  

Também se pode transformar um projecto não economicamente viável, sem utilidade, num projecto aparentemente "bancável", para credor ver.  
Mas tais habilidades custam caro ao contribuinte, e aos filhos e netos do contribuinte...

Mariana Abrantes de Sousa 
PPP Lusofonia
Bancável, bankable, viável, viability gap, blending, RBF results based financing, payment mechanisms





terça-feira, março 29, 2016

Crise financeira faz 8 anos com queda de um banco


A primeira grande crise financeira do século XXI fez agora 8 anos.   
Resultado de imagem para bear stearns bank imagemNa quarta-feira 12 Março, 2008, um jornalista financeiro perguntava durante um programa da televisão da CNBC se outros bancos continuavam a aceitar o banco Bear Stearns como contra-parte em operações de crédito.  
A resposta foi positiva, para tranquilizar, mas o mercado não acreditou. 
Antes do fim de semana, a sociedade financeira Bear Stearns, que foi criada em Maio 1923 e que sobreviveu ao colapso de  Wall Street de 1929,  tinha chegado ao fim da linha, sendo vendida a grande desconto ao  banco J.P. Morgan.  


O mercado financeiro foi e será sempre assim. Fazem-se milhares de transacções por hora, entre entidades que se conhecem e reconhecem como sendo fiáveis.  
Quando uma dessas sociedades financeiras assume demasiados riscos, pode perder a confiança dos outros operadores de mercado num instante.  
Antigamente, os clientes de retalhos faziam fila para retirar os seus depósitos. Agora os clientes grossista fazem uma "corrida ao banco" com um mero clic.  

Os bancos, como as bicicletas, não param:  caiem de lado.  
Sempre assim foi.  Financial crisis - that time in 2008, it was the same.

As notícias negativas sempre tiveram a capacidade de  fazer cair um banco.  Agora com a televisão e as redes sociais, a corrida a um banco pode ser despoletada num instante, num processo cada vez mais acelerado.  Por isso os supervisores bancários têm que estar muito mais atentos e agir muito mais rapidamente.   
Nos casso do BANIF, do BES e de outros bancos portugueses, o problema não foi a notícia em televisão, foi a incapacidade do Regulador e do Supervisor de implementar uma solução rápida e eficaz que protegesse os aforradores de retalho, sem onerar demasiado os contribuintes. 

Mariana Abrantes de Sousa 
PPP Lusofonia