segunda-feira, abril 26, 2010

Mini-MBA Project Finance, 25-27 Maio 2010

O IIR Portugal apresenta a 5ª edicão do Mini-MBA Project Finance e PPP
Data:   25, 26 e 27 de Maio de 2010
Inscrições:  tel 217 932 989,,

Após o grande êxito experimentado nas últimas edições, o iiR apresenta o já reconhecido Mini-MBA Project Finance. Este ano a temática deste mini curso sobre PPPs foi renovada e actualizada, e contará com os oradores mais reputados do sector. Ouça e aprenda todos os aspectos do Project Finance, directamente dos profissionais de cada uma das Partes envolvidas:
Na perspectiva Jurídica, Alexandre Andrade,
na perspectiva  do Concedente, Mariana Abrantes de Sousa,
na perspectiva do Fiscalizador Filipe André Mateus,
na perspectiva do Auditor Público  António Manuel Garcia
na perspectiva do Financiador João Pedro Paúl.

Será um evento imprescindível para aqueles profissionais que querem actualizar a informação de forma clara, concisa e em pouco tempo, focando as oportunidades e os riscos na óptica das diversas Partes Interessadas (Stakeholders) nos SIEG- Serviços Públicos de Interesse Económico Geral, desde o Concedente, o Regulador, o contribuinte e o utilizador, ao promotor privado, aos investidores e aos bancos credores.  É um mini curso essencial  como introdução ou aprofundamento sobre a gestão de contratos de PPP, Parcerias Público-Privadas.

Traffic forecast error key in financing PPP

Why are project traffic forecasts proven frequently so wrong, with actual traffic failing to match the base case scenarios? 
This is the question posed to the members of the new  PPP Network, .

Forecasting is a very difficult thing to do, especially about the future …

That said, by Mark Twain, who gambled on riverboats, not on riverboat traffic, one must also look at who is doing the forecast and who is taking the risk of the traffic forecasting. With very highly leveraged public service projects, sponsors have relatively little to loose on the downside, and the Government can usually be counted on to step in with a bailout or a retroactive guarantee in case of default, in order to maintain the public service delivery.

Once-burned investors become twice-shy, refusing traffic risk especially in greenfield projects in new traffic corridors which depend heavily on induced traffic or inter-modal transfer.  Forecasting traffic in well-established brownfield corridors is seen as having a  lower forecast error, and therefore lower risk for the investor.

Some of the work presented at an EIB Traffic Risk seminar in June 2008, covering dozens of projects, found a quasi-normal distribution of the ratio of actual traffic to the base case scenarios (traffic forecast error):

About 25% of the projects reported actual traffic well below the base scenarios (-25-40%) , 25% reported actual traffic well above the base scenarios, (+25 +40% ) and and the other 50% of the projects were either somewhat below or somewhat above the base case.

In replicating this study with Portuguese SCUT shadow toll roads, it appears that they followed a similar bell-shaped distribution. SCUT roads, “sem cobrança ao utilizador”, have no user tolls, but the public sector pays as a function of actual traffic counts, subject to bands of minimum and maximum traffic risk to the sponsors.

Going further, we can look for elements that would help to predict the forecast error, that is, that might help identify the optimism bias a priori, because hindsight may be 20/20 but is not very helpful. Some of the relevant elements would be the location of the traffic corridors (greenfield or not), the year of financial close, the project sponsors, the bank financing conditions, pricing, tenor, coverage ratios, etc.

The one thing that seems to correlate most closely with the traffic forecast error is the ADSCR, the Annual Debt Service Coverage Ratio (Cash available for debt service to Debt service, year by year). The weaker projects, which reported the highest traffic shortfalls 5-7 years after financial close, had evidently been spotted earlier by the banks that required ADSCR above 1.40X . On the more robust projects, the ADSCR covenants were set closer to 1.20X or even below.

If this can be shown to be true generally, it seems to indicates that bank due diligence adds value to the PPP infrastructure financing process, by ferreting out the more optimistic forecasts. After all, banks are the project parties with the most at risk in PPP projects, normally around 80% of total project costs. And experienced bank credit committees, underwriting as "principals" for their own balance sheet, will identify and price the risk better than even the most professional advisor or third party “agent”.

The sensitivity of the ADSCR to optimism bias also suggests the need to reconsider and be cautious about the current fashion of availability payments, which keep the traffic risk with the public sector. Availability payments are  more and more frequent now , both  in new greenfield infrastructure projects, but also as a result of re-allocation of project risks upon  project renegotiation when the expected traffic ramp-up failed to materialize.  This trend may be seen as "de-risking",  due  the growing risk aversion as investors and creditors  become much more selective  in the current financial crisis.

But the re-allocation of traffic risk from the concessionaire back to the public partner or "Concedente" in private one-on-one renegotiations, with little or no disclosure of actual to forecasted traffic trends and of change in contractual terms and conditions, is a practice that faills short of  the minimum requirements for transparency in public procurement. 

Thus, it may turn out that the less the traffic risk taken by the sponsors and the banks, the more the traffic risk in the project overall, and thus the more the traffic risk to the taxpayers.

The next question is whether traffic forecast errors are accidental or intentional.  Studies indicate that the higher the probability of renegotiation, the higher the incentives for promoters to engage in "strategic behaviour", in the conviction that they will be spared most of the downside risks.
Mariana Abrantes de Sousa,  PPP Lusofonia, Portugal, 26-Abril-2010

See also: 
Traffic risk and PPP financing in the financial crisis, Risco de tráfego e financiamento de projectos PPP em tempo de crise,

PPP bankability and budget sustainability in the financial crisis, Como compatibilizar bancabilidade para do projecto com sustentabilidade orçamental em tempo de crise financeira,

Risk reallocation and PPP renegotiations, Partilha de riscos e renegociação,

Renegotiation of port terminal concession with risk reallocation, Renegociação de concessão portuária de terminal de contentores

Public sector guarantees for PPP project financing, Garantias públicas para financiamento privado de  projectos PPP

PPP, risk-less capital, and public debt, PPP, capital sem risco e divida pública

Budget sustainability, and PPP project arbitration,  Sustentabilidade orçamental de contratos PPP e a arbitragem

Irwin on how to manage public guarantees for PPP projects, Irwin sobre como gerir garantias públicas para projectos PPP,

Ho on game theory and renegotiations of PPP contracts, S. Ping Ho sobre a teoria de jogos e a renegociação de contratos PPP

Vassallo on the causes of accidental or intentional, traffic overestimation in PPP projects, Vassallo sobe as causas de sobre-estimação de tráfego , acidental ou intencional, das previsões de tráfego em contratos PPP ,

Grandes Obras Públicas

VER relacionado mini-curso em PPP

PPP em países em desenvolvimento recuperam

O volume de financiamento de projectos PPP dos países em desenvolmento recuperou 10% no periodo de Jan-Set 2009, depois  da quebra em 2008, segundo dados publicados pela base de dados PPIAF.  

A recuperação desta actividade foi bastante selectiva, concentratado em países como  Brasil, India, e Turquia e em sectores como energia.

quarta-feira, abril 21, 2010

Business Develvopment Manager for NGO, Lobito, Angola

Program Manager I/Program Quality and Business Development
Organization(s):Catholic Relief Services
Country/Region: Angola
Contract Length: Full-time staff position
Apply by: 19 June 2010
Reference No: I 10 029
Background/Job Summary: CRS/Angola operates in a complex environment. The country has experienced unprecedented economic growth since the end of its long-term civil war in 2002, due largely to oil revenues. Its social and economic indicators, however, have not improved accordingly. In addition, many donors are leaving or have already reduced their support to Angola. CRS has been in Angola since 1989 when it entered to provide relief during the war. The program currently has projects in health, HIV and AIDS, peacebuilding, civil society and good governance.
Primary Function: CRS Angola is seeking a Program Manager to support the country program’s efforts to improve partner capacity as well as national staff capacity to work in the partnership model, and to acquire additional funding.
Job Responsibilities:
Staff and Partner Capacity Building: (approximately 50%)
1. Develop and implement a strategy to build CRS and partner staff capacity:
a. use of CRS tools such as ProPack, IHD, SARO guidelines for gender responsive programming and other program quality tools to ensure that programs adhere to CRS and industry standards
b. the skills to work successfully in partnership
c. joint development of new project concept notes and results frameworks using newly acquired knowledge and tools
d. capacity to meet public donor M&E and reporting standards
2. Support finalization of country program transition strategy 2010-2011.
Program Management: (approximately 25%)
1. Management responsibility for CRS Angola’s current HIV/AIDS and Civil Society/Good Governance projects. These include a USG as well CRS privately-funded projects.
2. Management of CRS Angola emergency projects, should the need arise
3. Responsibility for the timely and results-based implementation of activities performed by CRS staff and local partners, and achievement of project objectives
4. Compliance with donor requirements and CRS program quality standards and administrative and financial requirements
5. Assist HIV/AIDS point person for HIV in the Workplace in finalization of Workplace Policy Business Development (approximately 25%)
a. Identify new funding opportunities, in collaboration with HoP and CR
b. Support the country program to develop an appropriate fundraising strategy. Develop and maintain a donor map for tracking these efforts
c. Engage stakeholders in discussions whether or not to pursue funding opportunities
d. Lead and/or coordinate proposal writing processes, serving as lead writer, contributor or editor, as required
e. Ensure responsiveness and compliance of proposals to donor requirements
f. Ensure compliance with agency cost application and budgeting processes; become familiar with cost allocation methodology and ensure its proper use
Key Working Relationships:
Internal: CR, HoP, HIV in the Workplace point person, SARO RTA for BD
External: Partner Organizations such as CARITAS, local government officials, USG agencies, other funding agencies, other INGOs
1. Master’s degree in International Development, Public Health, or other related field
2. Minimum two years international development experience
3. Experience in staff and partner capacity development and in providing effective technical assistance and guidance
4. Experience in health and HIV/AIDS programming highly desirable
5. Demonstrated experience in project design and proposal development, including successful English language proposals for competitive public resources
6. Experience with CRS tools (ProPack, Technical Application and Cost Application Guidance) and knowledge of CRS program quality standards, the justice lens and Catholic Social Teaching
Language Requirements: English fluency, with additional professional proficiency in Portuguese highly preferred, although Spanish speakers with the ability to learn Portuguese quickly will be considered
Personal Skills:
1. Self-starter with the ability to motivate others
2. Proven skills-transfer and training skills
3. Ability to work under pressure and to meet tight deadlines
4. Patience, perseverance and efficient problem-solving skills
5. Willingness to travel to Luanda and to provinces to work with partners (up to 25%)

NOTE TO APPLICANTS: Lobito is an accompanied post, but there are no international school facilities, few preschools and health facilities are basic. Luanda, which is 500km from Lobito, provides better health care.

To apply, please visit
Major Responsibilities of Position: Program Design, Monitoring/Evaluation, and Mentoring/Training

terça-feira, abril 20, 2010

Let them Eat Cake!


Com o título provocador  de "Então que comam bolos",  a resposta leviana atribuida (incorrectamente?) à trágica  Marie Antoinette em face da falta de pão na França pre-revolucionária de 1769, o PFM Blog aponta o Tribunal de Contas português como modelo de como responsabilizar os gestores públicos pela legalidade da despesa orçamental e da aplicação dos dinheiros dos contribuintes.

O artigo de Guilhem Blondy, um assesor  de finanças públicas no Departamento de Assuntos Fiscais do FMI-Fundo Monetário Internacional, cita o trabalho recente de Nicolas Groper (“Le régime de responsabilité des gestionnaires publics en droit public financier”, Dalloz, Paris, 2010) .

Segundo o artigo, em França, Portugal e outros países com sistemas jurídicos semelhantes, nomeadamente em Africa (Algéria, Angola, Costa de Marfim, Gabão, Madagáscar, Marrocos, Senegal), no Médio Oriente (Líbano) e na América Latina (Brasil), os gestores públicos não só são responsabilizados pelos tribunais de contas especializados a ter que pagar os danos sofridos pelos governos, como estão também sujeitos a sanções disciplinarias, no caso de faltas graves de gestão ou de violação das normas das finanças públicas.

Em Portugal, o Tribunal de Contas supremo pode decidir, por si próprio, a imposição de sanções aos gestores públicos, e pode também exigir a reparação dos danos sofridos pelo Governo. Ministros, tais como outros gestores públicos, estão sujeitos ao Tribunal de Contas.

Estes regimes especiais de responsabilização judicial dos gestores públicos pelo Tribunal de Contas são complementares aos regimes aplicados pelos tribunais civís e criminais, e são considerados como boas praticas de governação a apoiar nos países em desenvolvimento. Note-se que a Directiva de Julho 2009 de Actos Orçamentais da União Económica e Monetária da Africa Ocidental (WAEMU), escrita com a assistência técnica do FMI, obriga os países membros a permitir que as suas instituições auditoras imponham sanções aos gestores públicos no caso de falhas de gestão.

Fonte:  PFM blog


PPP Lusofonia: Para continuar com a metáfora alimentar, “a prova está no pudim”.
Os países com Tribunais de Contas têm, de facto,  níveis de despesa e dívida pública mais baixas, mais disciplinadas, mais eficientes e eficazes, e mais sustentáveis?
Provavelmente não. Mais camadas de regulamentação e de organismos não chegam para compensar a falta de eficácia do sistema judicial e a falta de sanções politicas devido à fragilidade do sistema político.
No final de contas, não há substituto para a democracia, na forma de um parlamento forte e representativo.

segunda-feira, abril 19, 2010

Years-on-pension increase

This chart illustrates an important  public finance and demography concept, life-expectancy at the actual age of retirement, years-in-retirment,  years-on-pension, or pension-years. 

Together with a chart below, on the percentage of retirement income coming from public (Government) pensions, this helps to explain the pensioner cost budget time-bombs, with pensions and pensioner health.

Pension reform and containment of pensioner health expenditure has become  an essential, if controversial component of good Public Financial Management in many of these countries

Sources:  The Economist online,  Feb 23rd 2010, OECD

SEC leva Goldman Sachs a tribunal por fraude com hipotecas subprime

A SEC, o regulador do mercado de capitais americano, acusou o banco de investimentos Goldman Sachs de fraude ao não ter divulgado aos investidores em CDO (obrigações colateralizadas) certa  informação vital sobre o papel do gestor de um Hedge Fund na selecção dos activos envolvidos como colateral, particularmente a posição desse Hedge Fund como vendedor (short) desses activos de crédito à habitação hipotecário de baixa qualidade (subprime mortgages).

Segundo a acusação da SEC,  o Hedge Fund Paulson & Co pagou à Goldman Sachs para estruturar a transacção Abacus 2007-ACI, que permitisse ao Hedge Fund tomar posições vendedoras (short) em que beneficiaria quando houvesse falhas de pagamento (credit events), mas não informou os investidores da ACA que tomaram o risco do CDO.

Agora, os investidores penalizaram as açções do Goldman Sachs que perderam mais de 10% em bolsa num só dia.
FonteFT Alphaville

Quem compraria um carro usado deste banco?
Em resumo, GS ajudou um cliente a desfazer-se de activos de baixa qualidade para outro cliente que não não foi devidamente informado para saber o que estava a comprar?
O que há de novo nisto?
As assimetrias de informação favorecem sempre o vendedor, especialmente nas transações mais complexas da banca de investimento, nesta disintermediação aberrante, que se revela fora de control .
Por isso, é necessário voltar aos três R's, Re-capitalização para todos, Re-intermediação para os bancos e Re-orçamentação para os governos.

Um banco que merece o nome de banco comercial não deveria necessitar de alienar bons activos.
Agora que passou a banco, vamos ver se GS consegue prosperar a fazer crédito para balanço e não para ceder em transações cada vez mais complexas, a investidores cada vez mais mal informados.

Would you buy a used car from Goldman Sachs?

In summary, GS was an investment bank helped a client in getting rid of low quality assets to an unsuspecting investor/underwriter ACA? So,  what else is new?
This just goes to show, "caveat emptor" also applies to financial assets, and the information assymetry always favours the seller. The more complex the transaction, the greater these risks.

The "new normal" in finance calls for going "back to basics", to the three R's, Recapitalization (deleveraging for everyone), Reintermediation (for banks), Rebudgeting (for Governments).
It seems that ACA as risk underwriter suffered from "information disadvantage" and fell into the trap of paying too much for low quality assets, which GS pushed to get rid of.
That's disintermediation gone crazy, out of control.

Why should a "bank", that deserves the name, need to sell good assets?
Now that GS has become a "bank", with balance sheet and all,  let's see if they can prosper at the (re)intermediation business of "lending and holding".

sábado, abril 17, 2010

Consultor de Recursos Humanos, Moçambique

Senior Human Resources Development Consultant, KPMG Development Advisory Services Apply By: 06 May 2010
Country/Region: Maputo, Mozambique

Acting as Consultant in the area of Human Resources Development, in a 4 years project, advising on the structuring and implementation of the project, covering the following subsystems: Recruitment and Selection, Training, Performance Evaluation, Talent Retention, Remuneration, Indicators of HR/Key Performance Indicators, HR Climate Survey and Organizational Culture, Programs regarding Motivational, Retirement and Team Building issues, amongst others.

•Propose and develop training programs;
•Advise on the processes of defining core competencies of the organization;
•Develop and implement the process of Performance Evaluations;
•Develop and implement the a Career Management process for Professionals;
•Develop and implement policies on Talent Retention;
•Develop and implement corporate programs such as: Trainings, Internships, Diversity, Gender Programs and Development;
•Develop HR Policies;
•Develop and implement an Organizational Climate Program;
•Develop and implement a Corporate Education Program;
•Develop and implement an Integration Program for New Staff, and
•Develop and implement a Succession Program/Plan.

•Results driven; •Customer and market oriented;
•Team player;Good people skills;
•Systemic vision; •Strategic vision;
•Leadership skills, with the ability to lead and develop teamwork;
•Ability to resolve problems and group conflicts;
•Well spoken, as well a good writer;
•Perceptible of opportunities and needs for change;
•Organized; •Committed and responsible;
•Initiative and pro-active;
•Insight and wisdom;
•Flexible, and •Dynamic and creative.

•Experience of at least 10 years in the corporate environment, especially in the area of Organizational Development, of which at least five years working with an energy sector utility; this requirement is an absolute must and candidates will not be considered otherwise.
•Desirable experience in program implementation, performance evaluation, and study of organizational climate;
•Experience as Team Leader;
•Advanced Portuguese (written and oral), English an asset;
•University graduate in Business Administration, or Organizational, Psychology;
•Post Graduate with a MBA in HR, and
•Availability to travel.

Please send your cover letter, CV and professional references, via electronic submissions to   No telephone inquiries, please. Finalists will be contacted

Gestão de voluntários para Jogos Olímpicos, Brasil

International Executive Volunteer Program:  CDC Development Solutions
Apply By: 6 May 2010
Country/Reg ion: Rio de Janeiro, Brazil
Short term consulting assignment, 31-May  to 30-Nov, 2010

CDC DEVELOPMENT SOLUTIONS (CDS), an NGO based in Washington, DC will be managing an international executive volunteer program in Rio de Janeiro, Brazil scheduled to take place in the second half of 2010. The successful candidate will work closely with CDS home office staff in providing technical and logistical support for a series of teams of international executive-level volunteers working on smart city solutions for the 2016 Rio Olympics. The candidate will work closely with the teams prior to their arrival in Rio by providing cultural context and guidance and on their arrival in Rio as a liaison between the team and local government entities. The selected consultant’s main responsibilities will include, but may not be limited to, the following:

•Act as liaison between CDS, the project team and local government;
•Administration and monitoring of all field-based activities, including program and financial reporting;
•Provide guidance with regard to local business and government culture;
•Work with CDS home office staff in providing on-site logistical and programmatic support to a team of executive-level volunteers;
•Orient the new volunteers upon arrival in Rio de Janeiro;
•Participate in conference calls with the volunteers;
•Coordinate business meetings and events for the volunteers and participating clients;
•Monitor and advise on security arrangements for the volunteers when they are in Rio;
•Prepare financial and final program reports.

•Strong local government background and exposure;
•Be knowledgable about and currently residing in Rio de Janeiro;
•Ability to work across cross-cultural teams;
•Experience working on development projects is a plus;
•Master’s Degree or equivalent in a relevant discipline with at least ten years experience as a senior consultant;
•English and Portuguese fluency.

The Terms of Reference, including his/her responsibilities and activities are subject to possible modification and expansion. For more information about CDS, please go to:

quarta-feira, abril 14, 2010

Bolsa de doutoramento em estudos lusófonos (cultura e história) no Reino Unido

Espirito Santo PhD studentship in Portuguese and Lusophone African Studies, 2010-2013.

The Department of Portuguese & Brazilian Studies ar King’s College is delighted to announce it is offering a fully-funded PhD studentship for 2010-2013. Applicants are invited to apply for this PhD studentship in any field of the Culture, Literature and History of Portugal or/and the Lusophone African World. The award is for GBP 45,000 over three years, including College fees and student grants. The deadline for receipt of completed applications has been extended to 12 May 2010.

For further information and to apply, please visit our website:

Department of Portuguese and Brazilian Studies
Room S 8.05, Strand Building
King's College London
Strand, London WC2R 2LS
T: +44 (0)20 7848 1078

Formador em jornalismo económico

Jornalism Trainer , apply by: 22 -April-2010 Organization(s): Human Dynamics;  OneglobalExpert
Project title: Training on Financial Journalism
Country: ACP States (Burkina Faso and Mozambique)
Commencement date of the project: 3-May-2010

Duration of the assignment: 17 work days over max. 9 months

Brief description:
The global objective of this assignment is to improve financial literacy of low-income groups by providing them with education, information and advice to make informed and effective financial decisions and to engage actively in the financial sector. This in turn should increase the welfare of low-income consumers by increasing the quantity and quality of their use of financial services.

The specific objective is to provide high-quality practical training to African radio and TV journalists, to improve their understanding of the financial sector and to allow them to disseminate this information to their public in the form of interesting and critical consumer-oriented reports that will ultimately improve households’ understanding of financial products.

Qualifications and skills required:
- University degree in business, economics, finance, law or other any other relevant background replacing formal education combined with a background in journalism, and reporting experience in developing countries.
- Working languages: fluent in French or Portuguese, both orally and in writing;
- Excellent communication and interpersonal skills to be able to interact with trainees, Senior Trainer and other stakeholders;
- Good computer and writing skills.

Professional experience
- International training experience (min. 3 years), preferably in ACP countries.
- Proven experience in hands-on training of a diverse audience.
- Proven experience in conducting similar training in ACP, or developing countries.
- Ability to understand the needs of the trainees and adapt quickly.
- Experience of either voice or image or online digital recording and editing techniques and of the use of all information sources for adaptation to TV or radio reports.
- Familiar with financial literacy issues;
- Knowledge of the African financial journalism

See TOR Terms of Reference

segunda-feira, abril 12, 2010

CP e Renfe concorrem a duas concessões de comboios em Londres

DE: Nuno Miguel Silva, 12/04/10

As duas operadoras ibéricas CP e a Renfe estão a concorrer em conjunto a duas concessões  a 10 anos de caminhos-de-ferro em Londres, apurou o Diário Económico junto de diversas fontes em Espanha. As concessões em causa foram lançadas no passado dia 1 de Abril pelo ministério dos Transportes do governo britânico, servem a grande área metropolitana de Londres e deverão estar totalmente entregues à iniciativa privada a tempo da realização dos Jogos Olímpicos de 2012, agendados para a capital inglesa.

As concessões em causa são a Greater Anglia e a Essex Thameside. A Greater Anglia é actualmente gerida por uma empresa designada National Express East Anglia, cuja concessão termina em Março de 2011.

Por seu turno, a Essex Thameside é uma concessão que deverá iniciar a operação a 29 de Maio de 2011, prosseguindo a exploração da linha actualmente assegurada pela empresa National Express Group, através da sua participada c2c. Em Dezembro de 2011, o governo inglês pretende que todas as rotas ferroviárias para a Fenchurch Street, em Londres, sejam capazes de operar comboios com 12 carruagens, quando actualmente a linha é servida com comboios de apenas oito carruagens.

Ambas as concessões estão neste momento abertas à entrega de propostas, período que irá terminar a 19 de Abril.

O Diário Económico soube, contudo, que a participação da CP nos consórcios formados para estes dois concursos em Londres, é reduzida, mas considerada essencial pela Renfe devido à mais-valia e ao ‘know how' específico que a transportadora ferroviária portuguesa tem em matéria de manutenção de material circulante, designadamente através da sua participada EMEF - Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário.

A participação conjunta das duas ferroviárias ibéricas nestes concursos de Londres é o primeiro passo de uma aliança estratégica firmada a 19 de Março passado, entre Francisco Cardoso dos Reis e Teófilo Serrano Beltrán. Londres é o primeiro passo para que a CP e a Renfe se apresentam juntas no mercado internacional de concessões ferroviárias e deverá ser seguido nos próximos meses noutros concursos noutras geografias.
Fonte:  DE

CNFA Farmer-to-Farmer Program, Huambo, Angola

De agricultor para  agricultor, em Angola
Country Director, Angola, CNFA Inc.-Farmer-to-Farmer Program
Apply By: 1- May-2010

CNFA, an American NGO, based in Washington, DC, is seeking candidates for the position of Country Director for its Farmer-to-Farmer Program. The incumbent will provide leadership for the Angola office, located in Huambo. Responsible for managing a program bringing international experts in agriculture to Angola on short-term volunteer assignments. The mission of the CNFA Farmer-to-Farmer Program is to empower the rural poor to increase income through entrepreneurship, private enterprise, and accessing markets.
Tasks & Responsibilities of CNFA Country Director for Angola:
•Manages CNFA Farmer-to-Farmer Program, located in Huambo, including managing financial resources.
•Manages and monitors progress of the Program.
•Provides technical support for the development, planning and implementation and monitoring of program activities.
•Assembles and manages project teams and volunteers.
•Represents CNFA and builds relationships with donors and relevant stakeholders.
•Identifies and advises on new program opportunities for CNFA in Angola.
•Prepares project reports for CNFA management and donors..
Skills & Attributes:
•Excellent analytical and interpersonal skills.
•Experience including: negotiations, planning, and budgeting as well as human resource management.
•Systematic thinking that includes judgment, problem solving, and creativity.
•Clear and systematic thinking that demonstrates good judgment, expert problem solving, and creativity.
•Ability to work effectively as part of a multicultural team.
•At least 7 years of relevant experience including work experience in agriculture, international organizations or in the private sector.
•Experience in managing programs in the private or NGO sector.
•Proven ability to work effectively in a team environment is critical.
•Bachelors or Masters degree in agriculture, agricultural economics, food science, or other relevant field.
•Must have excellent skills in both written and spoken English and Portuguese.
For more information or to submit a resume, contact:  and

A fiscalização prévia do Tribunal de Contas e o novo Código dos Contratos Públicos

Os contratos públicos fazem parte do dia-a-dia dos gestores públicos e representam hoje cerca de 30% da despesa pública. A sua importância tende a aumentar, uma vez que a Administração Pública recorre cada vez mais a mecanismos de contratualização, outsourcing e parceria.

Neste contexto, a reforma operada pelo Código dos Contratos Públicos é de grande relevo, quer para os gestores e agentes públicos quer para os que contratam com as entidades públicas.

Com a participação de Helena Abreu Lopes, Juíza Conselheira do Tribunal de Contas, instituição que assegura a fiscalização prévia da legalidade dos contratos públicos, e de Ana Luísa Nunes, Auditora Coordenadora do mesmo Tribunal, na área em causa, O INA  pretende nesta conferência identificar, analisar e discutir:
■As principais alterações introduzidas nos procedimentos de contratação pública;
■Os objectivos que se visam prosseguir;
■As maiores dificuldades sentidas pelas entidades públicas face às novas exigências;
■Os resultados do controlo do Tribunal de Contas nesta área;
■As principais áreas de preocupação.
Este evento é gratuito mas limitado ao número de inscrições existentes.
Ao fazer a sua inscrição e uma vez que este é um evento gratuito, não é necessário o envio, para o INA, da ficha de inscrição assinada.
Importante: a ocupação das vagas existentes (42) será por ordem de chegada à sala de audioconferência e não pela data de recepção da inscrição, pelo que a mesma estará aberta 30 minutos antes do início da sessão.
Data:  23/04/2010 - 14:00
Inscrições no INA  aqui
VER relacionado mini-curso em PPP

Dias do Desenvolvimento 2010, 21-22 Abril,

Os Dias do Desenvolvimento 2010, 21 e 22 de Abril de 2010, Centro de Congressos de Lisoba

Os Dias do Desenvolvimento constituem um momento de reflexão, intercâmbio e divulgação, centrado nas actividades de cooperação de entidades portuguesas, que contribuiu para o seu mútuo enriquecimento e dar a conhecer a uma opinião pública alargada a diversidade da cooperação para o desenvolvimento.

A iniciativa reune um amplo leque de entidades públicas e organizações da sociedade civil, entre as quais, ONGD’s, Associações empresariais, de estudantes, fundações, etc.

Tem como objectivos:
■Demonstração alargada da variedade de actores e intervenções de entidades portuguesas, incluindo o Estado, mas indo muito para além deste;
■Oportunidade para trabalho em rede com os profissionais actores do desenvolvimento;
■Reforço de redes profissionais e sectoriais do desenvolvimento;
■Contribuir para a sensibilização da opinião pública e dos decisores para a necessidade de cumprimento das metas a que Portugal se comprometeu no quadro dos compromissos para 2015 dos Objectivos do Milénio

IFC financia estudos sobre governação

IFC aceita pedidos de financiamento para estudos, actividades e outras iniciativas sobre governação, corporate governance, até hoje 12-Abril-2010

IFC, Global Corporate Governance Forum

sexta-feira, abril 09, 2010

Espanha com novo programa de €17 biliões em PPP

A Espanha anunciou um progrma ambicioso de €17.000MM em contratos PPP, dos quais 70% serão para o sector ferroviário e o resto para estradas.
A maior parte dos projectos serão novos e o finciamento será assegurado pelo BEI e ICO

sexta-feira, abril 02, 2010

Consultoria de avaliação do projecto de estatisticas INE, PALOPs

PALOP Countries - Avaliação Intercalar do Projecto “Apoio ao Desenvolvimento dos Sistemas Estatísticos dos PALOP – Fase 2”Lot:11 - Macro economy, Statistics, Public finance management - EuropeAid FWC Beneficiaries 127054

SEE TOR and  Apply by: 8/April/2010  here
Starting Date: 3/May/2010

OBJECTIVOS E RESULTADOS DA AVALIAÇÃO:   avaliar e  propor medidas para melhorar o impacto do projecto nos Sistemas Estatísticos dos PALOP.

O resultado esperado é um relatório final que contem principais conclusões sobre as acções implementadas e o impacto dessas últimas assim como propostas de eventuais adaptações na lógica de intervenção e das medidas de acompanhamento necessárias, recomendações operacionais e lições a tirar para o futuro do projecto. A avaliação basear-se-á no quadro lógico da convenção de financiamento e ter em conta as melhores práticas do sector das estatísticas.

Por outro lado a avaliação também deverá estudar a modalidade de gestão do projecto e concluir sobre a qualidade da coordenação e a sustentabilidade dessa última assim como as vantagens e desvantagens da nova modalidade de implementação em base a "países dinamizadores".

Os beneficiários desta avaliação são o Projecto mesmo, os Institutos Nacionais de Estatística (INE) dos PALOP e, por consequência, os Países de Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

CONTEXTO DO PROJECTO AVALIADO:  O projecto regional «Apoio ao desenvolvimento dos sistemas estatísticos dos PALOP» cuja sede se encontra estabelecida na República Democrática de São Tomé e Príncipe tem um financiamento 2M de euros, totalmente financiado pela Comissão Europeia no âmbito do 9º FED.

O Ordenador nacional do FED de São Tomé e Príncipe assegura a função de Ordenador regional do projecto, sendo as actividades do projecto executadas através de uma componente em regime de administração directa (orçamentos–programa sucessivos) e do estabelecimento de diversas autorizações específicas.

A execução das actividades técnicas está a cargo dos INE com o apoio da UTGP, sendo cada um responsável por pelo menos uma área, tornando-se, por isso, dinamizador e estas actividades são planificadas em função de um dos resultados.

O Comité de Pilotagem, constituído pelo Ordenador nacional do FED de São Tomé e príncipe na sua qualidade de Ordenador regional do Projecto, pelos Directores gerais/Presidentes dos INE’s dos cinco PALOP, pelo Chefe do projecto, os Elos de ligação e pelo representante da Comissão europeia com o estatuto de observador, assegura o acompanhamento, a coordenação e a orientação estratégica da execução do projecto, o qual é gerido por uma UTGP (Unidade Técnica de Gestão do Projecto) que conta com o apoio temporário de uma assistência técnica internacional.

O Comité de Pilotagem reúne ordinariamente uma vez por ano, e extraordinariamente, caso seja necessário, rotativamente num dos países PALOP e será responsável pela verificação das pospostas dos OP elaborados pelo Gestor e Contabilista.

Cada reunião será objecto de um relatório que deverá ser integrado nos relatórios intercalares e anuais a serem elaborados pelo Chefe da UTGP.
O Comité de Pilotagem supervisiona e aprova as orientações e as linhas estratégicas do Orçamento-Programa na base de trabalhos e das missões da UTGP. É a única entidade autorizada a tomar decisões técnicas e estratégicas relativas a OP e orientação das suas actividades.
O projecto destina-se globalmente a contribuir para a melhoria da qualidade e da quantidade da informação estatística, com o objectivo de apoiar o processo de decisão e formar uma opinião pública bem informada, através da disponibilização em tempo oportuno de dados comparáveis.

O objectivo específico do projecto é o reforço dos sistemas estatísticos nacionais dos PALOP, através do reforço da qualificação dos quadros técnicos, adopção e utilização de metodologias e instrumentos de trabalho comuns, a criação de uma rede de sistemas de informação entre as instituições nacionais de estatística dos PALOP que assegura e fortifica as trocas permanentes e boas práticas no desenvolvimento de metodologias sobre as técnicas de recolha, de tratamento e de difusão das informações estatísticas, assim como o ensaio e aplicação de soluções inovadoras e um quadro operacional participativo, o reforço institucional dos INE dos PALOP nos domínios de gestão dos recursos humanos, de organização do trabalho, da comunicação e de engenharia financeira afim de aumentar os recursos disponíveis e futuros.

Os resultados definidos, a alcançar através da realização de seminários, workshops e desenvolvimento de software, são os seguintes:
(i) Definição e aplicação de sistemas de planeamento, coordenação e gestão da informação estatística, tendo como dinamizador Guiné Bissau;
(ii) Criação de rotinas de difusão e publicação da informação estatística, tendo como dinamizador São Tomé e Príncipe;
(iii) Consolidação do sistema de implantação das Nomenclaturas e conceitos estatísticos internacionais – Cabo Verde;
(iv) Adopção progressiva do SCN 93 (Sistema de contas nacionais) e divulgação dos métodos e fontes para a produção das Contas nacionais;
(v) Inventário geral em cada país, dos inquéritos disponíveis sobre as Empresas e sobre as actividades do sector informal nos principais sectores económicos – Cabo Verde;
(vi) Implementação das metodologias para a elaboração das notas de conjuntura e “tableaux de bord, tendo como dinamizador Cabo Verde;
(vii) Definição e implementação dos indicadores sociais para assegurar a recolha e seguimento dos dados nacionais de pobreza e de questões transversais – Angola e
(viii) Engenharia financeira para o aumento dos recursos destinados às actividades dos INE dos PALOP, tendo como dinamizador a UTGP.
A execução do projecto foi iniciada com o estabelecimento de um orçamento-programa de arranque cujo objectivo foi a instalação e organização da UTGP, assim como a preparação do Programa operacional técnico e financeiro para toda a execução do projecto e do primeiro orçamento-programa de funcionamento.
O orçamento-programa nº 1 da UTGP que entrou em execução a 1 de Janeiro de 2009 e teve a sua conclusão em 31 de Dezembro do mesmo ano, foi discutido na I Reunião do Comité de Pilotagem decorrida na cidade de São Tomé, em Outubro de 2008 e foi aprovado pelo Ordenador regional do projecto e pela Delegação da Comissão europeia em Libreville. Nessa mesma reunião foram aprovados os Orçamentos-programa nº 1 dos INE programados para o período de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2009.
A II reunião do Comité de Pilotagem realizada em Luanda em Outubro de 2009 discutiu o orçamento-programa n° 2 da UTGP e os orçamentos programa nº 2 + encerramento dos INE. Porém, devido a aprovação tardia do orçamento-programa nº1, cuja execução ficou condicionada, a reunião de Luanda concluiu haver necessidade da aprovação de uma adenda, prorrogando o período de execução para 16 de Março de 2010.
A experiência de gestão do projecto na área da estatística do PIR PALOP I evidenciou dificuldades de ligação entre os países beneficiários, a Unidade Técnica de Gestão do Projecto, bem como outros intervenientes do projecto, no que respeita à (i) agilização de informações fundamentais para a execução das actividades; (ii) divulgação dos resultados; e (iii) implementação das decisões técnicas e recomendações ao nível dos países beneficiários.
A necessidade de ultrapassar as condicionantes acima referidas e a desejável eficiência e apropriação que se pretendeu imprimir na execução do projecto, aconselharam à descentralização de tarefas administrativas que se traduzem na partilha de responsabilidades entre a UTGP e os INE’s dos PALOP. É neste contexto que surgem os “Países dinamizadores” e os Elos de Ligação, cuja implementação foi consubstanciada através da assinatura de orçamentos-programa por cada país e delegação de poderes pelo Ordenador regional. Esta nova modalidade, embora inovadora pode constituir um risco para a execução de todo o projecto

RELÁTORIOS: Para além da nota de arranque, a elaborar conforme adiante se refere, devem os peritos preparar os relatórios preliminar e final da avaliação intercalar, conforme as modalidades abaixo indicadas.
A nota de arranque e o relatório preliminar serão distribuídos por E-mail, respectivamente na data da conclusão da missão na sede do projecto (São Tomé) e 2 semanas após a realização da missão circular.
No decorrer de 3 semanas a contar da recepção do relatório preliminar, os comentários dos beneficiários, do OR, dos ON’s PALOP, da sede da CE e da Delegação da CE em Libreville serão transmitidos ao consultor. Na ausência de comentários após este prazo, o relatório preliminar é considerado aprovado.
O relatório final, que contará com um resumo de 3 páginas, no máximo, sobre um total não superior a 25 páginas (sem anexos), será apresentado em papel e enviado, por e-mail, 2 semanas após o prazo de 3 semanas acima indicadas.
Todos os relatórios serão obrigatoriamente redigidos em língua portuguesa e traduzidos em francês para envio à:
Unidade Técnica de Gestão do Projecto que remete cópias aos INE beneficiários 1 exemplar;
Ordenador Regional do FED 5 exemplares;
Delegação da Comissão Europeia 1 exemplar;
EUROSTAT 1 exemplar.

Perfil dos especialistas: - A equipa do consultor será constituída por 2 peritos.
- Um perito terá um perfil mais específico e uma reconhecida experiência em matéria de avaliação de projectos de desenvolvimento.
- O outro terá um perfil mais técnico com conhecimentos na área da estatística, principalmente estatísticas económicas (Nomenclaturas, Contas Nacionais, Inquéritos às Empresas e Indicadores de Conjuntura).
- O conhecimento dos Países em desenvolvimento para os dois peritos é considerado elemento de apreciação das propostas, assim como experiencia previa nos PALOP.
- Os peritos terão que ter um muito bom conhecimento da língua portuguesa lida e falada.
A prestação de serviços deverá ser realizada num período máximo de 60 dias.