Tradutor

sábado, maio 24, 2014

Batota cambial dava mais batatas

É curioso ouvir dizer em campanha eleitoral que desvalorizar a moeda é uma "batota", como fizemos em crises de endividamento anteriores. Mesmo na actual crise da Eurozone, não consta que tenha havido "batota" com as fortes desvalorizações na Islândia, no Reino Unido ou na Suécia  em 2008-9.

Afinal, a desvalorização cambial é um instrumento de ajustamento económico clássico, bem conhecido e bem provado em todo o mundo. E a importância dos câmbios flutuantes para o pleno emprego é ensinada em qualquer cadeira de macro economia,  pois geralmente quando "a taxa cambial desce, sobe o nível de rendimento compatível com o equilibrio externo" (Alfredo de Sousa, 1988 Analíse Economica, 2ªed, pg 536).

O próprio mercado financeiro se encarrega de impor a desvalorização cambial aos países deficitários, a fim de ajustar os preços relativos, tornando as importações mais caras e as exportações mais baratas.  De facto, é geralmente mais  "fácil desvalorizar a moeda do que reduzir salários e pensões", a dita desvalorização interna,  porque o ajuste de preços relativos é generalizado e o risco cambial é bastante previsível. Em termos de equidade, uma desvalorização externa  é  quase sempre preferível a uma desvalorização interna porque  permite partilhar o custo o ajustamento externo com os parceiros comerciais superavitários que passam a exportar menos e a importar mais.

O que torna esta crise de balança de pagamentos diferente das outras, das quais Portugal têve demais, é a rigidez das normas do Mercado e da Moeda Única que têm consequências muito mais graves do que a "inconstitucionalidade" de cortar rendimentos, deixando o país manietado (shackled diz Krugman)  perante o descalabro das contas externas e a perda de competitividade.

O gráfico 4 do Relatório Anual  de 2012 do Banco de Portugal mostra claramente o que  mudou depois do Euro, comparando com anteriores ajustamentos baseados em Programas de Assistência Financeira.

A taxa de câmbio efectiva nominal manteve-se desta vez, mas as exportações cresceram  pouco, o desemprego disparou, e o consumo e o PIB caíram muito mais. Da dívida externa nem é bom falar.

Pode concluir-se que sem a "batota" da desvalorização que era a o elemento central dos programas de ajustamento anteriores, tem menos batatas na mesa.
Recorrendo a outro ditado tradicional, pode dizer-se que a politica cambial foi "chão que deu uvas".

Mariana Abrantes de Sousa
PPP Lusofonia 

Fonte: Económico-21/05/2014   Não vamos escolher o próximo primeiro-ministro nestas eleições”
O primeiro-ministro foi explicar por que razão a Europa foi importante para Portugal e lembrar que hoje não existe a "batota" de desvalorizar a moeda, como em ...

Fonte:   http://www.bportugal.pt/pt-PT/EstudosEconomicos/Publicacoes/RelatorioAnual/Publicacoes/RA_12_p.pdf