Tradutor

quinta-feira, novembro 25, 2010

Explica-me o Orçamento de Estado como se eu fosse uma criança de 8 anos

O Orçamento do Estado tem de ser explicado às crianças, os futuros Contribuintes de quem estamos a depender cada vez mais.

Então é assim:
Era uma vez um Ministério que queria facilitar a utilização dos transportes públicos pelos jovens estudantes e que por isso criou um novo "subsídio de transporte" para o Passe Escolar.
Grande ideia, disseram todos, especialmente a Luisinha, que gosta de andar de autocarro com as colegas.
Quanto vai custar este novo subsídio?   perguntaram alguns.
Cerca de 20 milhões de Euros ao ano, responderam as operadoras de transportes.

Quem vai pagar, perguntaram uns poucos.
Resposta:  Haveria três opções de financiamento, (a) cortar outras despesas orçamentais, (b) aumentar impostos, ou (c) pedir emprestado, aumentando a dívida pública que terá que ser paga passados 20-30 anos, com juros.  Mas cortar nas despesas ou aumentar os impostos vai afectar os actuais contribuintes, os pais e avós da Luisinha.  O mais conveniente parece ser financiar  este louvável subsidio ao transporte escolar com aumentos de dívida pública.

Pergunta para a Luisinha:
Preferes que as viagens de autocarro sejam pagas hoje, ou preferes andar de graça agora e pagar o transporte escolar  quando fores grandes,  daqui a 20 anos, acrescido de juros e alcavalas?
Resposta da Luisinha: que paguem agora, não quero herdar dívidas.

É assim que endividamento directo e indirecto do Estado tem o poder de transformar as melhores medidas em extravagâncias insustentáveis, a pagar pelos netos e bisnetos do Contribuinte.
Quando a esmola é grande, o pobre desconfia, diz o povo.