Tradutor

quinta-feira, outubro 18, 2012

PPPs rodoviárias com mais transparência


Estradas de PortugalA Estradas de Portugal, SA publica um primeiro relatório parcial da evolução de tráfego, receitas e despesas com algumas concessões rodoviárias no primeiro parte de 2012.

 Destaca-se, desde logo, a descida generalizada dos volumes de tráfego, cerca de -30% devido à  introduzidas portagens, acrescido de -10% por motivos conjunturais na rede rodoviário como um todo.

A queda foi  mais elevada nas concessões em que a introdução de portagens ocorreu em Dezembro de
2011, com variações entre os -25% da A25 (concessão das Beiras Litoral e Alta e os cerca de -50% da
A22 (concessão do Algarve).

As receitas de portagens obtidas nas concessões analisadas cobrem apenas 24% do total dos encargos incorridos pela EPSA no primeiro semestre deste ano de 284 M€, sendo que o restante acumula no endividamento da empresa, classificado como dívida pública. Outro indicador relevante refere-se ao valor de subsidiação uma vez que em  nenhuma concessão as portagens cobradas são suficientes para suportar os encargos. Nos casos mais desequilibrados a EPSA pagou, no primeiro semestre, por cada veículo que utiliza a concessão, uma valor de 79€ no Interior Norte, de 65€ na Beira Interior e de 36€ na concessão das Beiras Litoral e Alta.

Isto demonstra bem a distorção e destruição de valor causada pela introdução de portagens em estradas sem congestionamento, num país "terminal",  com baixo tráfego e sem tráfego em transito.

Parabéns à EPSA por esta nova postura de transparência.  Seria importante fazer também uma comparação com os cenários-base iniciais a fim de quantificar a perda de "Value for Money" para o Concedente e os contribuintes.
Ver mais  http://www.estradasdeportugal.pt/index.php/pt/informacoes/773-concessoes-rodoviarias-receitas-e-despesas-relatorio-1o-semestre-2012