Tradutor

quarta-feira, novembro 09, 2011

Prognósticos no (princípio do) fim do jogo

As bolhas financeiras alimentadas pelo crédito excessivo e a sua inevitável contracção são tão recorrentes que os melhores exemplos têm séculos.  Veja-se  Kindleberger,  1989, "Manias, Panics and Crashes", um livro que merece ser relido anualmente.

Sabemos que a banca está sempre na linha da frente ao intermediar  o risco e a liquidez entre os aforradores/depositantes e os devedores.  Quando a banca é imprudente e faz crédito a mais, especialmente crédito externo ou cross-border, alimentam e potenciam a bolha, e acabam por perder com o crédito mal parado os lucros que ganharam na parte expansionista.

Quando a bolha e o consequente colapso é muito grande, as perdas esgotam o capital dos bancos, que têm que ser recapitalizados.   Isto é uma das principais funções da regulação prudencial a cargo dos bancos centrais. Se os accionistas não puderem ou não quiserem recapitalizar os bancos, o Estado tem que o fazer, através uma nacionalização mais ou menos encapotada para servir de safety net ao sector financeiro que é essencial para qualquer economia. Foi isso que aconteceu em Portugal 1975, no Mexico em 1982, etc.

A nacionalização pode ser explicita, e revestida de ideologia, ou pode ser mais encapotada, na forma de garantias ou acções sem voto.  Mas o apoio do Estado deve ser sempre condicional, protegendo sobretudo os depositantes e os clientes.  A protecção não deve abranger nem os accionistas nem os gestores bancários, alguns dos quais são mesmo parte do problema e não parte da solução, pois  ficam paralisados na fase de negação.

Estes prognósticos são lamentáveis mas nem por isso são surpresa.  Por isso a nacionalização do banco Dexia pelo governo belga pode ter sido vista como o "fim do princípio da crise".

É natural que os accionistas e gestores bancários portugueses contestem o condicionalismo dos apoios do Estado de que necessitam como de pão para a boca.  Mas os dinheiro dos contribuintes portugueses, que terão que eventualmente reembolsar os créditos aos contribuintes alemães, não pode ser dispensado sem exigir fortes contrapartidas, sob pena de continuar a alimentar o problema de gestão bancária e financeira imprudente.

Como diz o velho ditado popular, "a quem for mau dispenseiro, não entregues o teu dinheiro".

Mariana Abrantes de Sousa
PPP Lusofonia, Portugal

VER mais ....
Manias, panics...http://ppplusofonia.blogspot.com/2008/10/efficient-market-fallacy.html
 Five recommendations http://ppplusofonia.blogspot.com/2011/10/five-recommendations-to-help-resolve.html
Provérbios financeiros http://ppplusofonia.blogspot.com/2010/06/tudo-sobre-economia-e-financas-nos.html