Tradutor

terça-feira, julho 30, 2013

Créditos na pele de swaps - 2

Com nomes fofos de "snowball" e "vanilla", os 88 swaps das empresas públicas têm sido tudo menos meigos para o bolso do contribuinte.  O grosso das perdas está concentrada em operações feitas com o Banco Santander (46%).
Alguns destes swaps com nomes fofinhos  apresentavam grandes perdas não só em 2011, mas logo desde o seu inicio.  Nestas permutas feitas a condições que não as do mercado, o  PV ou VAL no dia 1  não é igual a zero, isto é uma das contra-partes fica logo em dívida que vai aumentando ao longo da duração.

Trata-se de empréstimos escondidos em swaps, como os swaps do Goldman Sachs da Grécia.
Falta saber se esta dívida escondida foi  autorizada pelas Tutelas  do Sector Empresarial do Estado em  devido tempo.
Que foi autorizada pelos bancos credores,  com base nos seus modelos financeiros, não há dúvida.
Mariana Abrantes de Sousa
PPP Lusofonia