Tradutor

sábado, dezembro 16, 2006

Combate à mortalidade materno-infantil na Guiné



A taxa de mortalidade materna na Gunié-Bissau é das mais altas do mundo, segundo o relatório da UNICEF publicado no 60º aniversário da organização mundial.
O ministro da Presidência do Conselho de Ministros guineense, Rui Diã de Sousa, afirmou que mil m ulheres morrem em cada cem mil em idade materna.
O também ministro da Comunicação Social e dos Assuntos Parlamentares reconheceu que é necessário trabalhar "seriamente na melhoria das condições sociais da mulher" e a apostar na ensino e saúde das raparigas e mulheres.
A taxa de frequência escolar de 50 por cento para rapazes e apenas pouco mais de 30 por cento para as raparigas.
No que concerne à taxa de mortalidade infantil, a Guiné-Bissau regista um nível também elevado na ordem de 100 óbitos por cada 1.000 recém-nascidos, si tuando-se essa cifra na casa dos 200 mortos por cada mil crianças dos zero aos c inco anos de idade.

Segundo Jean Dricot da UNICEF, a mulher guineense confronta-se com situações como a violência, casamento precoce, mutilação genital, desigualdade na proporção tra balho/salário em relação ao homem e tem pouca ou quase nula presença nos órgãos de decisão política.

A UNICEF escolheu para a apresentação do relatório mundial da infância em 2007 o lema "Mulheres e Crianças - O Duplo Dividendo da Igualdade de Género".

Agência Lusa

Ver Bissau-Digital
Campanha contra a malaria
Investimento na água potável
Mais Guiné-Bissau e Bissau