Tradutor

quarta-feira, novembro 21, 2012

Curso prático de contribuinte

Devíamos ter aulas práticas de como ser bom contribuinte, cumpridor mas exigente.  
Nisso sim é que devíamos ser bons alunos.  

À boa maneira de "chorar sobre leite derramado" muitos contribuintes que não deram pela acumulação de dívida publica escondida, estão agora a contestar e a tentar perceber porque é que estão ter que suportar cada mais medidas de austeridade e maior carga fiscal.  Com mais alguns meses de experiência directa  poderão pedir equivalências para um "curso pratico de contribuinte".  

Mas para isso têm que fazer muitas perguntas.  Não só como chegámos e este descalabro financeiro mas também porque é que temos que pagar toda a dívida externa, que está bastante acima das nossas capacidades de reembolso. 

Então é assim:  
O Governo tem apostado na recuperação de "credibilidade externa" fazendo todos  os  possíveis e impossíveis para pagar toda a nossa divida externa que é das mais elevadas da Europa (em relação ao PIB).  
É uma ilusão, pois quando a divida externa é muita, não pode ser saneada apenas com mais e mais sacrifícios da parte devedor.  O credor externo também tem que assumir a sua quota parte de sacrifícios pois foi co-responsável pelo sobre-endividamento, já que ninguém o obrigou a emprestar. 
Estamos certamente a sobre-avaliar a nossa capacidade de reembolso da dívida externa.  Como esta partilha equitativa de sacrifícios não foi feita logo de inicio, em 2010 ou pelo menos em 2011, agora boa parte da "divida externa" virou interna, isto é, foi comprada, a grande desconto, por investidores nacionais ou por credores oficiais como o BCE, que contam em receber o reembolso ao par, por inteiro. 

Para mais matéria relevante, favor ver http://ppplusofonia.blogspot.pt/search/label/Crise