Tradutor

segunda-feira, Agosto 15, 2011

Divida de empresas públicas passa para o Estado

Portuguese Treasury extends 1.3Bln in loans to State-owned companies in the second quarter of 2011.  
Com o mercado de capitais fechado até mais ver, o Estado vê-se obrigado a apoiar directamente as empresas públicas com empréstimos do Tesouro para pagar a divida  que vai vencendo.

De Abril a Junho 2011, o Tesouro fez empréstimos de 1300 milhões de euros, incluindo:
REFER - 434 milhões de euros
CP - 250 milhões de euros
Metro do Porto - 175 milhões de euros
Metro de Lisboa - 167 milhões de euros
RTP- 150 milhões de euros
EDIA  - ... milhões de euros
EVC - ...  milhões de euros
Frente Tejo - 3,6 milhões de euros, empresa a extinguir

No primeiro trimestre de 2011, os empréstimos concedidos pelo Tesouro tinham sido apenas 32 milhões de Euros.  Nos próximos trimestres, os montantes a refinanciar vão ser semelhantes.
Não sendo uma transferência directa de dívida, isto representa alguma "nacionalização" da exposição às empresas públicas (SOE/SEE). No caso das empresas deficitárias que não fazem ainda parte a AP, os créditos agora concedidos pelo Tesouro podem vir a ser reclassificados pelo INE/Eurostat como aumentos de capital, com impacto no défice da AP/Administração Pública.

Resta confirmar se os empréstimos agora vencidos tinham sido previamente adquiridos a desconto no mercado secundário por investidores nacionais, a fim de capturar o beneficio dos sacrifícios dos investidores mais adversos ao risco.

fonte:   DGTF
http://www.ionline.pt/conteudo/140332-estado-emprestou-1300-milhoes-aos-transportes-e--rtp-em-tres-meses
http://www.destakes.com/redir/bcf1e32d860b84b50059e70215c5b99a
http://www.netconsumo.com/2011/08/estado-emprestou-1300-milhoes-aos.html

3 comentários:

o mercado tem sonar disse...

The "iceberg" of hidden public debt is melting...

Falhas na reforma do SEE disse...

Falhas na reforma do sector empresarial do Estado

Metro do Porto paga dívida disse...

Metro do Porto recorre a financiamento do Estado
http://www.dn.pt/inicio/economia/interior.aspx?content_id=1953227