Tradutor

terça-feira, janeiro 06, 2015

Nós por cá tudo ...

Convencer os Europeus que estão melhor dentro  do que fora do Euro  é uma tarefa difícil senão impossível, quando os cidadãos "escutam" mais o seu bolso do que as afirmações dos líderes. 

Para os europeus devedores que tenham finalmente aprendido a fazer contas e perdido as ilusões do Euro, a escolha poderá ser fácil:  Quem está disposto a sacrificar a sua prosperidade, e a dos seus filhos e netos, para  manter o país no Euro?

No recente artigo  (4-Jan-2015) no jornal Financial Times, "Political extremists may be the Eurozone’s saviours"  Wolfgang Münchau apresenta o argumento que os ditos extremistas, que insistem na reestruturação  da dívida,  podem mesmo ajudar a salvar a Eurozone da crescente divergência entre os   credores e  devedores.  

Apesar do crescente consenso que a divida externa de alguns países é insustentável, os países credores  insistem que não haverá lugar a uma reestruturação negociada da divida externa, empurrando os países devedores para fora do Euro.  

Os credores, os extremistas do outro lado, não assumem co-responsabilidade pelos abusos do crédito sub-prime europeu nem admitem  reestruturação, uma postura conhecida na praça como "trying to get blood from a stone".   

Recordemos que o principal credor, a Alemanha, beneficiou de um grande perdão de dívida no pós-Guerra em 1953.   

Quanto mais rígida a gestão da Eurozone, maior o risco do seu desmembramento. 

Ver mais em http://www.ft.com/cms/s/0/49ef5d20-9276-11e4-b213-00144feabdc0.html#ixzz3NysDsCcN
German debt 1953 - http://www.theguardian.com/commentisfree/2013/feb/27/greece-spain-helped-germany-recover

What was good for the goose  is seen as being too good for the gander.