Tradutor

sexta-feira, dezembro 07, 2012

Divergência continua na Eurozone

A Eurozone entrou oficialmente em recessão com uma contracção de -0,1% no terceiro trimestre, depois de uma contracção -0,2% no trimestre anterior. 

Ainda pior, é o facto de que as fortunas dos países membros  da Eurozone continuam a divergir. Portugal têve a segunda maior redução de -0,8% do PIB, mas nada que se compare com os -6% da malfadada Grécia que continua em queda livre.  

A discussão caricata de se Portugal poderá vir a beneficiar dos prazos alargados da ajuda externa no seguimento do alívio concedido à Grécia apenas demonstra a nossa falta de poder negocial como devedores frágeis e temerosos.
  

A estratégia dos credores de isolar, e até demonizar, a Grécia  é uma das tácticas mais antigas - dividir para reinar.    Ou então, os credores já terão pouco a perder na Grécia porque já transferiram o sua exposição para credores oficiais como o BCE e querem mais tempo para fazer o mesmo com os outros devedores.

De facto, estamos em crise pelos mesmos motivos:  caímos na esparrela do crédito fácil, com   défices externos a acumular em dívida durante anos a fio. Mas se os países caíram  da mesma forma, vamos ter que nos levantar cada um à sua maneira. 

Portugal e a Grécia sofrem de problemas muito semelhantes na sua origem, afinal eram os dois países da Eurozone com os maiores défices externos (BTC/PIB de -10% em 2010). Felizmente, a divergência entre Portugal e a Grécia na saída da crise  parece estar bem consolidada.  Nós estamos no bom caminho, da austeridade,  eles ainda só têm os custos sociais.

Quando a crise rebentou, foi  com um efeito dominó na fase da queda, mas o efeito dominó só se inverte nos filmes.  Agora cada país tem que encontrar a sua própria solução. E para Portugal, a solução acertada vai ter que passar por negociações a sério com os nossos credores, aconteça o que acontecer com a Grécia.  

Mariana Abrantes de Sousa 
PPP Lusofonia

Ver mais sobre a Divergência http://ppplusofonia.blogspot.pt/2011/12/eurozone-crisis-tests-limits-of.html