Tradutor

segunda-feira, maio 10, 2010

Mota-Engil com oito projectos em carteira para avançar em parceria com o BERD

Protocolo assinado   visa investimentos nos países de leste

30.04.2010 - 20:14 Por Luísa Pinto, PÚBLICO, com Lusa

O grupo Mota-Engil assinou hoje um acordo com o Banco Europeu de Desenvolvimento Regional /BERD) que poderá vir a ser um importante instrumento para o crescimento e redimensionamento da Mota-Engil Ambiente e Serviços (MEAS) no espaço europeu.

Trata-se de um protocolo que estabelece a disponibilidade do BERD em entrar, não só como financiador, mas também como accionista, em parcerias que o grupo português venha a estabelecer para executar projectos na área da gestão de águas, resíduos, logística e actividades portuárias nos países de leste. O acordo incidirá sobretudo nos países da Europa Central, com prioridade à Polónia e Roménia. Todavia os projectos futuros poderão desenvolver-se também noutros países como a Sérvia, Turquia e Bulgária.

Esta é a primeira vez que uma empresa portuguesa celebra um contrato deste tipo com o BERD, uma instituição que tem o ex-ministro socialista João Cravinho como vice-presidente. Em declarações ao PÚBLICO, o presidente do grupo português, António Mota, admitiu que o papel desempenhado por Cravinho foi fundamental para a concretização deste processo, mas acrescentou que tal aconteceu porque o grupo a que preside pode assegurar o cumprimento das exigências do BERD em matérias de gestão profissionalizada. O passo seguinte passa pela procura, individual ou em conjunto, de investimentos que possam fundamentar a criação de sociedades naqueles países. António Mota adiantou que em carteira existem já oito projectos, que totalizam um investimento na ordem dos 200 milhões de euros, e manifestou esperança que, pelo menos um deles possa avançar já este ano.

A MEAS e o BERD passarão, assim, a ser parceiros, não só nas candidaturas a concursos, mas também nos processos de aquisição de participações em empresas já existentes, por exemplo. António Mota manifestou o desejo de “consolidar” o negócio da recolha de resíduos que a MEAS possui na Polónia “através da aquisição de novas participações” e demonstrou também interesse em concorrer à privatização na área das águas em países daquela zona.

“Esta parceria com o BERD cria-nos muitas expectativas, já que é um forte garante de credibilidade e solidez nas parcerias que podemos vir a criar”, afirmou o presidente da Mota-Engil, apesar da posição minoritária que o Banco assume nestas sociedades. “Uma das exigências do BERD é ter sempre uma posição menor no capital, e entregando a responsabilidade de gestão destes projectos à Mota-Engil”.

Para João Cravinho, administrador do BERD, o acordo hoje formalizado é "muito importante porque fornece um quadro geral para vários empreendimentos que irão ser preparados no futuro com uma grande latitude de possibilidades". O ex-deputado socialista disse estar a assistir a um "interesse cada vez maior de empresas portugueses, sobretudo as de grande dimensão, por investimentos na região de operação do banco", dois dos quais esperam aprovação em breve. Este empenho é saudado pelo responsável do BERD do sector de infra-estruturas, Thomas Meier, que vê com agrado maior participação do sector privado nos países” onde O BERD opera. “A Mota Engil é um dos promotores de infra-estruturas conceituados mas esperamos que outras companhias portuguesas e internacionalmente se interessem neste sector", declarou à Lusa
Fonte: PÚBLICO