Tradutor

sexta-feira, maio 17, 2013

Curso intensivo para contribuintes - pensões 2

Fia-te nas previsões (a 50 anos) e não poupes ! 

Há quem questione a necessidade de cortar mais nas pensões públicas (PP), quando o seu peso no PIB só vai aumentar marginalmente nos próximos 50 anos.   Segundo as previsões do EU 2012 Ageing Report, o nosso  rácio PP/PIB só vai aumentar marginalmente de 12,5% em 2010 para 12,7% em 2060,  ficando ainda abaixo da média de 12.9% dos EU (2012 Ageing Report pg 86).

O problema é que esta previsão está baseada na premissa de crescimento do PIB português de 1.2%.a.a. no mesmo período, o que tem bastante menor probabilidade do que a previsão dos encargos com  as pensões públicas. Se o denominador tem maior incerteza do que o numerador, o rácio de PP/PIB vai provavelmente agravar-se mais do que o previsto.
DEO-Aging
Para além do mais, como estamos em situação de défice orçamental, parte dos pagamentos de pensões vai directamente para a dívida pública, que já sabemos ser insustentável.  Isto é,   temos que cortar nas pensões públicas agora não só para conter a acumulação de dívida como para arranjar folga orçamental para recuperar o investimento público.
 Este  caiu de 3,8% do PIB em 2010 para uns míseros 1,8% do PIB em 2012 ( DEO 2103 pg 18). Os 0,2% do PIB  já não parecem tão insignificantes quando comparados com esta variação no investimento público.

É que se não conseguirmos restaurar os níveis de investimento público (produtivo, que não rotundas no meio das vinhas do Dão), então é que ficamos a ver o crescimento do PIB por um canudo.

Mariana Abrantes de Sousa 
PPP Lusofonia

Fontes:  10envolver http://10envolver.wordpress.com/2013/05/08/ha-uma-coisa-que-nao-percebo/
DEO 2013 http://www.portugal.gov.pt/media/989698/20130430%20mf%20deo%202013%202017.pdf
EU 2012 Ageing Report  http://ec.europa.eu/economy_finance/publications/european_economy/2012/pdf/ee-2012-2_en.pdf
Curso intensivo para contribuintes - pensões 1 http://ppplusofonia.blogspot.pt/2013/05/curso-intensivo-para-contribuintes.html




DESCRIÇÃO António Gaspar considera que a TSU sobre pensionistas é "jogo político". Mário Caldeira Dias vai mais longe e diz que "Portas já está a preparar a saída". Já Mariana Abrantes de Sousa garante que "a esmola da segurança social é grande e o pobre tem de desconfiar". A pensar no futuro, Rogério Fernandes Ferreira lembra a necessidade de haver "consenso entre todos os partidos para haver previsibilidade". "Conselho Consultivo" de 17 de Maio de 2013   http://videos.sapo.pt/kDWMDaz3BflLve85g5qS

Ver também um artigo de Valter Martins, o Economista de Bancada sobre o novo défice demográfico de Portugal.

"Um facto que tem passado despercebido no meio do barulho da discussão económica portuguesa é que, pela primeira vez na história recente, a população activa Portuguesa entrou em declínio"