Tradutor

sexta-feira, junho 10, 2011

Primeiros nos sacrifícios

À PRESIDENCIA DO CONSELHO DE MINISTROS                                   
Paço de Belém, 29 de Janeiro de 1892                                                                                                       
                                                                                                      
Meu caro Dias Ferreira, 
               
Querendo eu, e toda a família real, ser os primeiros nos sacrifícios extraordinários que as circumstancias do thesouro impõem à nação, previno-o de que resolvemos ceder20 por cento da nossa dotação, emquanto durar a terrível e dolorosa crise, que actualmente atravessâmos. 
Creia, Dias Ferreira, que em  tudo e por tudo hei-de seguir a sorte da nação, à qual reputo essencialmente ligados os meus destinos e os da minha dynastia.                  
                       
Seu affeiçoado,
EL-REI (D. Carlos de Portugal)                                                                                           
Com quase nove séculos de história, Portugal já superou numerosas crises, em boa parte graças às 
"virtudes de nobreza rara" como esta postura de El Rei D. Carlos face à crise financeira de 1892
Em 1892, o país sofreu um bancarrota parcial no seguimento da implantação da República no Brasil em 1889.  
O que deveria merecer bastante reflexão, é que, passados 120 anos, um regicídio, várias revoluções,  numerosos governos mais ou menos democráticos, e incontáveis Ministros das Finanças, Portugal se volte a encontrar na condição lamentável de pedir novos empréstimos para pagar juros sobre a dívida antiga e para financiar o défice comercial, incluindo os 60% dos alimentos que consumimos.