Tradutor

terça-feira, janeiro 23, 2024

Em 2024, Governo continua a adiar soluções para a agricultura e a propriedade rural

 Para quando  a solução dos minifúndios agrícolas e florestais, dos mini-terrenos, em Portugal?  

Outros países Europeus já fizeram o emparcelamento há décadas, já modernizaram a agricultura, porque não Portugal?  Porque em Portugal, os Governos continuam a adiar e os proprietários continuam paralisados pela nostalgia do antigamente.

 Os Ministérios da Agricultura e da Justiça não prestam um bom Serviço Público.  Só o Ministério das Finanças se interessa em tributar.   O BUPI é uma miragem, a registar o nome e NIF(!) do proprietário atual de mini-terrenos agrícolas e florestais onde não daria para estacionar um camião TIR. 

O Grupo de Trabalho para Propriedade Rual lamenta atrasos na legislação e implementação da reforma para resolver o fim dos minifúndios que tanto prejudicam a produtividade e sustentabilidade da agricultura em Portugal, levando ao abandono e ao aumento dos riscos de incêndio florestal. 

"Sem que as medidas (propostas pelos especialistas) assumam a forma de lei, não só não se promove o emparcelamento e o ganho de escala que é defendido pelo GTPR, como continuará o processo de fragmentação da propriedade rural através das heranças.

Ver o artigo completo no Publico

https://www.publico.pt/2024/01/22/local/noticia/propostas-travar-divisao-terrenos-ficam-pousio-espera-novo-governo-2077488

segunda-feira, novembro 13, 2023

Crise de Desemprego Jovem, de Risco a Oportunidade


 Diz-se que Crise consiste tanto de Risco como e Oportunidade.

O mercado de trabalho quase sempre funciona a 2 tempos: Leva 10+anos a treinar um contabilista, um eletricista, um professor, um enfermeiro, enquanto os jovens precisam de um "emprego bom, bom, BOM, já, já, JÁ!"


Desemprego jovem elevado representa uma Oportunidade de produtividade perdida e um grande Risco para as famílias e a coesão social e estabilidade politica. O problema específico de "educated unemployed" é antigo e só se vai resolvendo quando os recém diplomados vão criando as suas próprias Oportunidades. Difícil mas não impossível.

Deixar os jovens "parados" é que é o Risco maior. Já dizia a D. Umbelina, minha professora da 2ª classe:

"A ociosidade é a mãe de todos os vícios"

"A Ociosidade é a mãe de todos os VÍCIOS!..."


"A high school diploma in South Africa was once a ticket to a decent job. But a shortage of employment and a booming youth population has left some looking for work for months or even years, and 61 percent (!) of people ages 15 to 24 are unemployed, according to Statistics South Africa."

VER BossAC em https://www.youtube.com/watch?v=wqlurzmr5nU

domingo, junho 04, 2023

Banco que é BANCO não vende Certificados de Aforro!


Com quase 30 anos de experiência bancária em vários países, eu prefiro um banco que se dedica à Intermediação Financeira tradicional, que remunera bem os Depósitos, que seleciona ainda melhor os pedidos de Crédito e que ganha boas Margens de intermediação financeira tradicional entre os Depósitos e os Empréstimos a clientes do setor privado.
Este Banco Comercial "plain vanilla" é cada vez mais difícil de encontrar. Os bancos preferem ganhar comissões de venda de "produtos" de terceiros, sejam fundos, EFTs brilhantes ou relógios. 

Não acredito que os Certificados de Aforro tão populares necessitem de mais uma rede de vendas, quando podem ser subscritos online.

A Intermediação Financeira mais comercial, sem responsabilidade, é feita agora por um grande variedade de fundos e fundinhos, registados mas não supervisionados pelo Banco Central.
Estamos no caminho da crescente confusão e desresponsabilização.
Podemos bem antecipar os próximos capítulos,...de crise financeira e bailouts pelos contribuintes. 

Mariana Abrantes de Sousa 

Economista 

IGCP paga CTT 0,585% das subscrições até determinado valor, a partir do qual pagamos 0,26% pela subscrição", disse então Miguel Martin quando questionado sobre o custo, referindo o interesse em alargar a rede de distribuidores, de forma a contornar também, o que disse ser, o desinteresse da banca.

https://www.rtp.pt/noticias/economia/bancos-juntam-se-aos-ctt-e-espacos-do-cidadao-na-venda-de-certificados-de-aforro_n1491055

Banco que é BANCO não vive do dinheiro parqueado no Banco Central! 

 Banco que é BANCO não vende relógios! 

http://ppplusofonia.blogspot.com/2017/11/banco-que-e-banco-nao-vende-relogios.html

quarta-feira, maio 24, 2023

Public Service Concessions and PPPs come home to roost

They call it Renationalization. when a Government takes back the contract for public infrastructure pr public services from the private provider, but the more appropriate concept is Reversion back to the Public Sector, who always retains ultimate responsibility for public service provision. 

After all, that's why it's called Public Infrastructure and Public Services. 


According to Prequin, a specialist newsletter,  the UK's failing TransPennine Express recently became the fourth railway contract since 2018 to be taken back by the British government.  Other problems such as sewage discharge scandals and unaffordable  energy prices have fueled user insatisfaction to be expressed by voters.  

Since the Public Sector is ultimately responsible for roads, passenger transportation and utilities, the proper word to use is Reversion, not Renationalization.  Most PPP and concession
contracts have clauses providing for this. 

Public services must meet three performance indicators:  (1) coverage of the target population, (3) quality of service and affordability and (3) economic and financial sustainability balanced all around, for the users, for the shareholders of the company and  for the Government budget and the taxpayers.  Any serious shortfall in these three performance targets can lead to premature Reversion to the public sector, usually at a significant cost to the taxpayers. 

From where I stand, I suspect that many of the service quality shortcomings have to do with lack of investment in staff training, and excessive reliance on outsourcing to non-specialized service providers. The call centers currently in fashion seem to be staffed by assistants who know less about electricity than most housewives!  
Gone are the days when the customer could rely on one sector specialist to steer HER to the most convenient utility contract.  Add the bane of the Bots, and Regulators would have dozens of complaints, if the Regulators provided a proper online digital complaint window.  

Since most public service providers, public or private, continue to be quasi or absolute monopolies, public service customers have little recourse. 
Until the time comes to change hats, from customers to voters at election time. 

Mariana Abrantes de Sousa 
Economist and PPP Specialist, Portugal 
24-Maio-2023 


quinta-feira, maio 18, 2023

Triste Argentina Dejá Vu

No inicio dos anos 1980's trabalhei muito com a Argentina. Buenos Aires é uma cidade fabulosa e os Argentinos charmosos. 

Até dia 1 de Abril 1982.    A Argentina tinha invadido as ilhas Malvinas, Falklands por outro nome. 

 Parecia mentira! 

Foi então que eu compreendi a triste sina da Argentina, uma instabilidade economica e politica crónica que se reflete no elevado consumo de ansiolíticos. 

A que ano, ou que década,  se refere esta notícia ? 

 “Argentina has mostly been implementing a set of unorthodox policy tools over the past few decades that not only didn’t tackle inflation but worsened it,” J. P. S. writes. Now that annual inflation has reached a staggering 108.8%, J. M. a libertarian candidate for president, is pitching a radical plan to ditch the peso and replace it with the US dollar. But Juan argues that any attempt at dollarization will fail if the nation can’t cut malpractice out of its policy diet. Read the whole thing in English or in Spanish.

https://www.bloomberg.com/opinion/articles/2023-05-17/argentina-s-inflation-problem-is-economic-malpractice-not-the-peso

quinta-feira, maio 04, 2023

BOA Governação mede-se pels BONS Resultados

 BONS serviços públicos precisam-se! BASTA de fofocas políticas!

Os ministros devem ser avaliados mais pelos  BONS resultados do que pelos MAUS comportamentos.

O povo português assiste impávido, mas perplexo, ao teatro dos ministros, dos gestores públicos e dos adjuntos MAL comportados.  O folhetim da TAP tem capítulos diários.  Só falta saber do MAU comportamento do motorista e da senhora do bar.  

O noticiário enche com discussões comportamentais, não havendo tempo nem interesse em falar dos Resultados tangíveis da governação:  

- Quando e como é que a TAP passa a remunerar e a reembolsar os milhares de milhões de Euros que os contribuintes lá investiram? 

- Quando é que o Ministério da Energia certifica as linhas de transmissão dos novos parques solares,  e o CPE para uma modesta casa restaurada? 

- Como é que o Ministério da Educação vai ajudar pais e os alunos a compensar a aprendizagem perdida durante a pandemia. 

Que há políticos mal comportados não é notícia. 

A novidade seria mesmo descobrir onde podemos encontrar os melhores resultados da governação.


De olhos postos no Mercado Espanhol


O mercado natural das empresas portuguesas não é apenas Portugal, mas sim a União Europeia, começando por Espanha, que com os seus 42 milhões de consumidores é uma das seis economias mais importantes da Europa.

O mercado espanhol representa mais de 85% do poder de compra ibérico. Basta olhar para a balança de pagamentos de Portugal para perceber a importancia comercial do país vizinho para os produtores portugueses que necessitam conquistar cada vez mais clientes espanhois.

terça-feira, maio 02, 2023

DGEG e E-Redes devem acelerar energia solar

 

Os anúncios de novos projetos de energia solar continuam a aparecer. Os mega projetos solares necessitam cerca de um hectare de terreno mais ou menos plano para cada um MW de paineis a instalar, bem como linhas de transmissão da eletricidade para a rede. 

A fome de energia é tanta que já se estão a cortar eucaliptos para instalar painéis solares

Já as instalações solares em edifícios, industriais e  residenciais,  ficam bem mais perto to ponto de entrega.  Algumas cidades como Guimarães e Famalicão lideram na aposta em painéis solares para autoconsumo, que tem ainda muitos telhados para cobrir. 

Mas todos os produtores e consumidores de electricidade necessitam de ligações e licenciamentos da E-Redes, antiga EDP Distribuição e da DGEG, Direção Geral de Energia e Geologia, entre várias outras requisitos de certificados e aprovações. 

Aí está o elo mais fraco do serviço público de eletricidade em Portugal: a ligação à rede. 


sexta-feira, abril 28, 2023

Serviços Públicos EEE Equitativos, Eficazes e Economicos precisam-se!



A comunicação social preenche as 24 horas com casos e casinhos dos executivos das empresas públicas SEE do Sector Empresarial do Estado, fofoquices fúteis ou graves que dão mais "conversa de café" do que o futebol." 

Entre conversas de privações,  nacionalizações e privatizações lá se vão 2-3 mil milhões de Euros mas o povo português é sereno, paga e deixa a fatura para os netos. 

Mas pouco se fala de outras más consequências da má gestão das empresas públicos, o impacto negativo que deprime o crescimento económico em Portugal 

Com acionistas nacionais ou estrangeiros, os SIEG, Serviços Públicos de Interesse Económico Geral continuam a ser um dos elos mais fracos da economia portuguesa. Serviços Públicos de baixa qualidade representam um imposto escondido sobre todos os residentes em Portugal. 

Os Reguladores devem acompanhar melhor a qualidade de serviços, bem como a EEE, Equidade de acesso, Eficácia e Eficiência e sustentabilidade económica. A recente MULTA milionária aplicada pela ANACOM deveria ser usada para compensar os clientes da ALTICE lesados pelas barreiras que coloca ao fim dos contratos.
 

A ERSE que preste igual atenção aos lesados da  E-REDES que esperam meses pela ligação à rede eléctrica nacional. 

Os monopólios naturais pouco melhoraram na sua prestação de serviços. Os Call Centers pouco mais fazem do que repetir o que está no guião, uma cartilha tão rígida como a dos Chatbots, um atendimento que não merece o nome por pessoas pouco profissionalizadas e mal pagas. 

Quantas horas perdeu no último mês ou no último ano a tentar contratar um serviço público? 

segunda-feira, abril 10, 2023

Rich Country, Poor Country - Alternancia precisa-se

China CAB %PIB
 Alguns países são Grandes e ricos, outros países são pequenos e pobres. Outros países são Grandes e pobres outros pequenos e ricos... 

Pouco importa, dizem alguns economistas, citando diversos indicadores.  Fraca teoria. 

Nesta matéria, eu prefiro analisar o indicador do CAB-Current Account Balance, Balança de Transações Correntes, que consiste do superavite ou defice de exportações de bens e serviços sobre as importações. 

Estados Unidos CAB %PIB 

Na teoria, deveria haver alguna alternância entre superavites e defices entre os diversos países.  Mas na prática, há paises sistematicamente superavitários e países sistemáticamente deficitários que vão acumulando dívida exetrna. 

Quando estes desequilibrios se eternizam, o impacto pode passar da economia para a politica internacional. E os pequenos desequilibrios de países grandes são grandes em termos absolutos, o que importa e muito.  

E os desequilibrios externos não são todos iguais. Os défices grandes de países pequenos pagam-se em sobre-endividamento externo, cortes de despesa pública, austeridade, desvalorizações da moeda,  cortes nos salários e pensões, perdas de autonomia. E isso custa MUITO caro

Alemanha CAB %PIB



Russia CAB %PIB












VER fontes: 

segunda-feira, fevereiro 20, 2023

Re-urbanização compacta e eficiente precisa-se!

Gostei de ler o recente artigo de Luisa Pinto do Público sobre o estudo do Mercado Imobiliário em Portugal coordenado por Paulo Rodrigues e publicado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos   em ABRIL 2022. 

Uma vez que a habitação é um serviço LOCAL por definição, o  desafio foi de construir um Indice de Inacessibilidade territorial ao nivel das freguesias, cruzando o preço da habitação e o nível de rendimentos das famílias. As estimativas mostram que 24% das familias de zonas rurais em declínio e até 39% das familias em zonas de urbanização crescente estão em Risco de Inacessibilidade Habitacional. 

Foram assim tipificados processos de transformação da habitação, que na minha opinião ainda não passam do diagnóstico para a solução.    Esta lista de seis processos de urbanização é útil, interessante mas incompleta, se de facto queremos  promover um parque habitacional sustentável, tanto para as famílias como para os Orçamentos do Estado e dos Municípios. 

1. Expansão urbana (crescimento das áreas urbanas de maior dimensão, originando grande concentração de população, actividades económicas e serviços).

2. Urbanização (passagem de modos de ocupação de baixa densidade para alta densidade, impelida pela migração das populações para os centros urbanos).

3. Declínio urbano (descida da população e envelhecimento demográfico, abandono de infra-estruturas e património edificado).

4. Declínio rural (abandono de áreas rurais, encerramento de serviços, despovoamento progressivo).

5. Contra-urbanização (processo de urbanização de áreas rurais que se situam para além de zonas urbanas ou periurbanas), fora dos perimetros de segurança. 

6. Suburbanização (expansão das áreas urbanas para as suas periferias), por vezes clandestina e selvagem. 

7. Re-urbanização sustentavel, reabilitação e de "re-purposing" de edifícios antigos e/ou abandonados em bairros devidamente urbanizados para criar cidades e vilas compactas e eficientes com massa-critica  sem congestionamento. 

Falta incluir a reabilitação e de re-funcionalização (o dito re-purposing") de casas e outros edificios existentes, devolutos, e mais ou menos em situação de degradação e ruína.

Em termos de investimento público, é bem mais eficiente reabilitar casas devolutas e degradadas dentro do perimetro das povoações do que construir novos bairros na periferia. Os bairros existentes já têm todas infraetruturas, água, saneamento, electricidade, telecomunicações, ruas, passeios, etc. Os bairros existentes já têm as escolas, os cafés, as igrejas, as associações, e até as tradições que apoiam a comunidade. Os mediadores do imobiliiaro bem sabem que cada casa devoluta e em ruinas desvaloriza um bairro e que cada casa recuperada e habitada pode ajudar a restaurar um bairro degradado.

O enfoque do estudo nas freguesias e municípios é certeiro e importante. Mas não basta.
Há processos e politicas nacionais que têm contribuido bastante mais para a degradação e inacessibilidade da habitação do que o aumento da procura.
  • A compra e venda de imóveis é dos processos mais burocráticos em Portugal. As licenças camarárias são uma dor de cabeça e as escrituras são uma "dor de bolso". Muitas prédios devolutos fazem parte de heranças indivisas onde os custos de compra/venda são superiores ao seu valor de mercado,. Por isso ficam abandonados, parece que para sempre, sem que os proprietários sejam responsabilizados nem apoiados.
  • Uma Câmara Municipal que se queixa que os fundos do PRR não estão disponíveis para reabilitação de edificios antigos, mas apenas para construção nova, também leva 14 meses para emitir a licença de construção de uma casa dentro do perimetro de segurança da povoação existente.
  • Um operador de serviços públicos que se queixa do custo de ter que expandir a sua rede de distribuição, também leva quase um ano a oficializar o ramal de ligação para o restauro de uma ruina num bairro do tempo do Infante D. Henrique.
Cidades, vilas e aldeias compactas, eficientes e sustentáveis ...precisam-se!

Mariana Abrantes de Sousa,

Economista

VER   https://www.ffms.pt/pt-pt/estudos/o-mercado-imobiliario-em-portugal

 https://www.publico.pt/2023/02/19/economia/noticia/habitacao-inacessivel-retrato-territorio-portugues-2038873