Tradutor

quinta-feira, Abril 19, 2007

Espanha superará em 2008 os 65 milhões de turistas graças à "Expo 2008"

Espanha superará no ano 2008 a barreira dos 65 milhões de turistas estrangeiros, devido aos cerca de cinco milhões de visitantes esperados, na Exposição Universal de Zaragoza (Expo 2008), segundo dados divulgados por fontes ligadas ao sector do Turismo.
Com a afluência massiva esperada de visitantes ao evento citado, será alcançado o número recorde de 65 milhões de visitantes estrangeiros, cerca de 7,5 milhões acima dos turistas estrangeiros registados em 2006, o qual atingiu os 58,5 milhões, segundo o "Instituto de Estudios Turísticos". O Presidente da "Mesa de Turismo", uma organização composta por um grupo de empresários com destaque no sector do Turismo, considera que, tal como ficou provado com a Exposição Universal "Sevilla 1992", a "Expo" de Zaragoza servirá para promover aínda mais a marca "España", convertendo o país, durante três meses, num enclave socio-cultural de referência mundial, consolidando assim a posição do país no segundo lugar em termos de destinos turísticos mundiais. Os mercados internacionais considerados como principais emissores de turistas para a "Expo" são, a França, Reino Unido, Portugal, Alemanha, Itália, Bélgica e Luxemburgo, Holanda e Áustria.
Portugal pode e deve aproveitar esta oportunidade para atrair turistas estrangeiros ao nosso país, quer pela proximidade quer pela oferta turística de qualidade.

Fonte: www.hosteltur.com, 13 de Abril de 2007.


Seminário sobre Serviços Públicos e PPP em Santarém

Seminário sobre Serviços Públicos e Parcerias Publico-Privadas
com Mariana Abrantes de Sousa







18-Abril-2007, 17h-18:30h
Auditorio da Escola Superior de Gestão do Politécnico de Santarém

Parceria Público-Privada

1. Um contrato plurianual (administrativo) pelo qual …
2. ... o parceiro público (Estado ou Município) transfere para …
3. ... um parceiro privado
4. ... a obrigação de construir obra pública e/ou prestar um serviço público de determinado nível e qualidade …
5. ... aos utilizadores dos serviços públicos ou ao Estado …
6. ... junto com o direito de cobrar ou ser remunerado pela prestação desses serviços,…
7. ... a remuneração a ser assegurada ou pelos utilizadores dos serviços ou pelos contribuintes e orçamento geral,…
8. ... sendo o parceiro privado responsável pela gestão e o financiamento da obra e/ou dos serviços públicos junto dos bancos

Folheto

terça-feira, Abril 17, 2007

SEMINÁRIO : Portugal como plataforma para negócios em Angola

CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA LUSO-FRANCESA, CCI-LF
Seminário Quinta-feira 19 Abril 2007
Lisboa- Hotel Olissippo Oriente, Parque das Nações

9h00 abertura e Boas-vindas pelo Dr. Bernard Chantrelle, Presidente da CCILF
9h05 Apresentação do seminário, pelo Dr. António Vilar, Gabinete Advogados António vilar & Associados
9h15 O forte crescimento económico de Angola, Sr. Embaixador Assunção dos Anjos
9h25 Os sectores promissores, Sr. Rui Xavier, Ministro Conselheiro da Embaixada de Angola em Portugal
9h55 a presença económica portuguesa, Dr. Fernando Anjos, Delegado ICEP em Luanda
10h20 testemunho, Eng. Rui Vaz
10h30 testemunhos de sucesso de empresas francesas em Angola, Sr. Gélenine, Conselheiro Comercial Mission Économique em Angola
10h45 Desenvolvimento dos serviços financeiros e fontes de financiamento,
Dr. Araújo, Director de Marketing Millennium BCP

11h05-11h20 coffee-break
11h20 centros de decisão económica e política , Dr. Hélder de Oliveira
11h35, transportes e logística, Filipe Rodrigues, Director Marketing Gefco
11h50 Alfândegas, Comandante Victor Santos, Director Bivac Ibérica
12h10 Os apoios europeus para projectos EU-Países ACP – ICEP, Responsável ICEP
12h30 Angola, porquê mercado prioritário para Portugal-API, Responsável API

12h50 Conclusão: os grandes projectos, pelo Sr. Ministro Angolano do Comércio
13h15-15h15 Brinde e Almoço presidido pelo Sr. Ministro do Comércio de Angola Sr. Joaquim Icuma Muafuma .

15h-18h Os Participantes poderão inscrever-se nas seguintes mesas redondas (com duração aproximada de 45 minutos ):
* O sistema bancário e os pagamentos em Angola –Millennium BCP
* Ambiente de negócios e angolanização dos quadros - Eng. Rui Vaz e Sr. Gélénine
* Seguros de crédito para Angola – Responsável Cosec
* Ambiente jurídico :criação de empresas e direito fiscal- Gabinete António Vilar
* Transportes e logística-Dr. Filipe Rodrigues Dir. Marketing Gefco/Com.dte Vítor Santos Director Bivac Ibérica

18h : cocktail, no Hotel Olissippo Oriente, Parque das Nações de lançamento do livro do Dr. António Vilar “Guia de negócios em Angola”

Contactos : Pedro Guerra tel :213 241 998 email : pguerra@ccilf.pt
Clementina Félix tel : 213 241 996 email : felixc@ccilf.pt

segunda-feira, Abril 09, 2007

A taxa de poupança das famílias espanholas é de 10,1% do rendimento disponível

A taxa de poupança dos particulares e Instituições espanholas, situou-se nos 10,1% do seu rendimento disponível nos últimos doze meses, seis décimas acima do valor de 2005, segundo o Instituto Nacional de Estatística espanhol (INE).
Os dados apresentados dizem respeito a Contas não financeiras dos sectores Institucionais- que incluem particulares, Sociedades não Financeiras, Administrações Públicas e Instituições Financeiras- e que o INE publica nesta data, tendo esta publicação um carácter trimestral.
No referido trimestre, Janeiro- Março 2007, a taxa de poupança atingiu 0s 12,6% do rendimento disponível, cerca de dois pontos percentuais acima do resultado alcançado no mesmo período do ano de 2005.
A necessidade de crédito dos particulares e empresas, atingiu os 9.532 milhões de euros, 3,6% do Produto Interno Bruto (PIB) neste trimestre.
Nesse mesmo período, as sociedades não financeiras revelaram ter necessidade de crédito na ordem dos 6.800 milhões de euros, 2,6% do PIB trimestral, valor superior em 2,2 pontos percentuais em relação ao registado no mesmo trimestre do ano 2005.
A taxa de poupança das famílias espanholas desceu 46,5% entre 1995 e 2005, aumentando a sua necessidade de crédito, a qual representa já 2% do Produto Interno Bruto (PIB), fundamentalmente devido ao endividamento resultante da compra de habitação, segundo dados da "Fundación de las Cajas de Ahorros" (Funcas).
O endividamento de particulares e empresas tem vindo a aumentar nos últimos anos, segundo uma notícia publicada pelo Jornal "La Gaceta". Verificando-se um aumento na percentagem de créditos mal parados no início de 2007, após quatro meses de descidas.
A fama de bons pagadores dos espanhóis é assim posta em causa. Famílias, empresas e Instituições têm divídas aos bancos, "cajas" e Cooperativas de Crédito, num total de mais de 1,46 biliões de euros, no final de Janeiro deste ano, sendo que cerca de 9.702 milhões representavam crédito mal parado. Em apenas um mês, as entidades financeiras viram crescer o montante total desse potencial crédito mal parado em 614 milhões, o que significa, um crescimento a um ritmo médio de 19,80 milhões de euros por dia. Esses empréstimos, representavam apenas 0,6633% do crédito pendente de cobrança, embora o seu peso tenha aumentado em Janeiro deste ano, segundo dados do "Boletín Estadístico del Banco de España". Pela primeira vez em quatro meses, a taxa de incumprimento aumentou, passando de 0,6287% no final de 2006 para 0,7124% em Janeiro, do mesmo exercício.
A necessidade de crédito da economia espanhola em relação ao resto do mundo foi de 17.499 milhões de euros em 2006, 6,7 % do PIB trimestral, oito décimas acima dos valores de 2005.
Estes dados resultam de um mau comportamento da balança exterior de bens e serviços com o resto do mundo, 9,5% valores negativos, até alcançar os 16.701 milhões de euros.
De facto, a economia espanhola está a crescer a um ritmo anual de 3,7%, o que se deve em parte às condições favoráveis de financiamento e ao aumento da população, na sua maioria imigrantes.
No entanto, embora Espanha tenha registado em 2006 um superávit de 1,8% no PIB, esta não está a aproveitar da melhor forma esta boa fase, tentando reduzir o endividamento público e proporcionando maior solidez ao sistema de protecção social. Este esforço de redução do endividamento público e de aumento das poupanças públicas não está a ser correspondido por parte do sector privado, devendo este ser capaz de criar mais poupanças. O que acontece na prática em Espanha e nalguns países europeus é, uma distribuição desigual dos frutos do crescimento, o que não gera mais igualdade e coesão social. Mas se em vez disso, os investimentos fossem aplicados no sector público, na área da educação, investigação, desenvolvimento, inovação e práticas sociais, isso conduziria também a uma melhoria da produtividade e desta forma a melhores resultados económicos para o país.
Fonte: "www.abc.es"/ "La Gaceta", 9 de Abril de 2007.

sexta-feira, Abril 06, 2007

Contribuir para a estratégia Europa-Africa

Somos todos convocados pela União Europeia a contribuir para a elaboração de uma estratégia conjunta Europa-Africa para os próximos anos, como parte do diálogo entre a União Europeia e a União Africana.

A Europa e Africa partilham séculos de história e partilharão também um futuro de interesses comuns. A nova estratégia conjunta deverá reflectir as necessidades e aspirações dos povos africanos e europeus e os interesses comuns dos dois continentes.

A consulta pública, que pretende mobilizar e documentar as sugestões da sociedade civil foi lançada em Fevereiro por ECDPM, e é organizada em cinco temas principais:
- Visão partilhada
- Governação
- Questões chaves do desenvolvimento
- Comércio e integração regional
- Paz e segurança

Eventos em diversos países como em Bad Honnef, Alemanha a 23-24 Abril fazem parte do processo.
Está calendarizada uma reunião ministerial a 15-Maio entre os países da troika-EU (Alemanha, Portugal e Eslovénia) em preparação da II Cimeira Europa-Africa, prevista para Lisboa em Novembro 2007 .

Como participar na consulta pública: europafrica@ecdpm.org
http://europafrica.org/2007/01/01/contribute-to-the-consultation-on-an-eu-africa-joint-strategy/

Ver também:
Fórum África, 4-Maio, Pestana Palace, Lisboa: http://www.de-conferencias.com/eventos/cursos/2007/maio/africa/africa.html
Plataforma das ONG http://www.plataformaongd.pt/site2/publique/media/NL004.pdf
Blog cidadania http://inclusaoecidadania.blogspot.com/2007/03/caminho-de-um-partenariado-ue-frica.html
ELO http://www.elo-online.org/sn_quemsomos.htm